Pular para o conteúdo

19/09/2019

formosa refis

banner 1

banner 2

BANNER-ANIMADO-–-728x90px_R12DISPLAY-–-BANNER-ESTÁTICO-728-x-90_01

banner_728x90

AT0000---ACOES-LUIS_EDUARDO-BANNER-ESTATICO-728x90px

IMG-20190718-WA0051

uniasselvi

tre

 

 

E agora? O acordo Mercosul-União Europeia também foi pras cucuias?

19/09/2019

O Parlamento da Áustria aprovou na quarta-feira (18) uma moção que obriga o governo federal a vetar o acordo comercial entre a União Europeia (UE) e o Mercosul perante o Conselho Europeu.

Com a rejeição pelos parlamentares, o novo governo austríaco, que deverá ser eleito no final deste mês, será obrigado a votar contra o pacto comercial entre os blocos europeu e sul-americano no âmbito do Conselho Europeu.

Veja a matéria completa no UOL.

Sem tardar, começam a aparecer figurinhas na internet informando que a Áustria não tem florestas, que a Alemanha tem nazistas de esquerda e que a Noruega mata baleias. As bozorocas estão à beira de um ataque de nervos.

A grande obra diplomática do Governo está virando extrato de pó de peido.

 

Polícia Federal prende fraudadores da Previdência na Grande Salvador.

19/09/2019

A Polícia Federal (PF), em ação conjunta com a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, deflagrou, nesta quinta-feira (19), a Operação Lama Preta contra uma organização criminosa especializada em fraudar benefícios previdenciários na Bahia. São cumpridos 23 mandados judiciais, sendo 12 de prisão preventiva e 11 de busca e apreensão, em Salvador, Lauro de Freitas, Camaçari e Dias D’Ávila.

Segundo a PF, entre as fraudes cometidas estão a criação de segurados fictícios para recebimento de benefícios, a falsificação de documentos, a transferência de benefícios, fraudes bancárias, etc.

O prejuízo estimado aos cofres públicos supera os R$ 4 milhões, relativos a pelo menos 100 benefícios com suspeita de fraude. O valor ainda pode sofrer alteração no desenrolar das investigações.

As investigações começaram a partir de constatação feita pela inteligência previdenciária de indícios de falsidade em diversos benefícios assistenciais requeridos em agências baianas do INSS, para os quais era utilizado sempre um mesmo endereço, situado no bairro da Lama Preta, município de Camaçari, na Região Metropolitana de Salvador.

Os envolvidos podem responder por integrar organização criminosa, estelionato previdenciário, uso de documento falso, falsidade ideológica e falsificação de documento público, com penas que, se somadas, podem chegar a mais de 30 anos de prisão.

Gasolina e óleo diesel sobem a partir de hoje nos postos de combustíveis.

19/09/2019

A Petrobras anunciou, na noite de quarta-feira (18), reajuste nos preços da gasolina e do óleo diesel. Os novos valores passam a valer nesta quinta-feira (19) nas vendas de refinarias para distribuidoras.

O litro da gasolina foi reajustado em 3,5% e o do diesel, em 4,2%. Para o consumidor final, porém, sobre esses valores, serão acrescidos encargos tributários e trabalhistas e as margens de lucro dos postos de combustíveis.

Na última segunda-feira (16), a Petrobras divulgou nota sobre o bombardeio de refinarias na Arábia Saudita, responsável pela produção de 5% do petróleo mundial, o que gerou uma imediata elevação dos preços dos combustíveis no mundo.

A estatal informou, na ocasião, que continuaria monitorando os preços do petróleo e não faria um ajuste de forma imediata.

O último reajuste da gasolina no Brasil havia sido em 5 de setembro e o do diesel, em 13 de setembro. Em sua página na internet, a Petrobras explica como funcionam o mecanismo e as decisões de formação de preços dos combustíveis por ela vendidos.

“Nossa política de preços para a gasolina e o diesel vendidos às distribuidoras tem como base o preço de paridade de importação, formado pelas cotações internacionais destes produtos mais os custos que importadores teriam, como transporte e taxas portuárias, por exemplo. A paridade é necessária porque o mercado brasileiro de combustíveis é aberto à livre concorrência, dando às distribuidoras a alternativa de importar os produtos”, explica, em nota, a estatal.

Segundo a companhia, a gasolina e o diesel vendidos às distribuidoras são diferentes dos produtos no posto de combustíveis. São os combustíveis tipo A: gasolina antes da sua combinação com o etanol e diesel sem adição de biodiesel.

“Os produtos vendidos nas bombas ao consumidor final são formados a partir do tipo A misturados a biocombustíveis.”

Aguardem só para ver se o maluco do Trump resolver atacar o Irã. Vamos ter que reinventar o gasogênio a carvão ou a lenha para movimentar os carros. Arábia Saudita, Emirados Árabes, Iraque, Kuwait e os oleodutos da Russia estarão em zona de guerra. Vai ser um Deus nos acuda! 

Fiscalização encontra irregularidades em postos de combustíveis de Barreiras e Cristópolis.

19/09/2019

Dezoito bicos de combustíveis lacrados por entregarem quantidades menores que as efetivamente pagas pelo consumidor, duas bombas também lacradas em função de vazamento interno, notificação de 42 bombas em mau estado de conservação, postos sem alvará de funcionamento, problemas de segurança nas instalações e ausência de equipamentos de análise.

Essas são algumas irregularidades identificadas na terceira etapa da Operação Posto Legal, realizada entre os dias 10 e 12, nos municípios de Barreiras, Itabuna, Ilhéus, Cristópolis e Una, localizados nas regiões oeste e sul da Bahia.

Nesta etapa, 24 postos de combustíveis foram fiscalizados. Ao todo, a operação já atuou em 68 postos de diversas regiões da Bahia e não tem data para terminar. O objetivo é alcançar, nos próximos meses, todos os postos em funcionamento no estado.

Reunindo a Superintendência de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon), o Instituto Baiano de Metrologia e Qualidade (Ibametro), a Agência Nacional do Petróleo (ANP) e o Departamento de Polícia Técnica (DPT), com o apoio da Secretaria da Fazenda do Estado (Sefaz), e das polícias Civil e Militar, a Operação Posto Legal verifica a qualidade e a quantidade do combustível vendido na Bahia, além de outras irregularidades prejudiciais ao consumidor.

Outros resultados

As irregularidades relacionadas à quantidade de combustível entregue ao consumidor e ao funcionamento das bombas são aferidas pelo Ibametro, que identificou ainda uma bomba com violação de ponto de selagem nesta etapa da Posto Legal. Cabe à ANP, por sua vez averiguar itens relacionados à qualidade do combustível, com apoio do DPT. A agência também encontrou combustível com indícios de impurezas.

Rede de notícias falsas de Bolsonaro continua 80% ativa.

19/09/2019

A rede de desinformação que espalhou notícias falsas (fake news) e deturpadas pró-Bolsonaro pelo aplicativo WhatsApp durante as eleições do ano passado, com o uso de robôs e disparo em massa de mensagens, continua pelo menos parcialmente ativa até hoje.

Dados obtidos pela reportagem apontam que 80% das contas no aplicativo de mensagens estavam em funcionamento no início da semana.

O UOL analisou 1.690 linhas telefônicas nacionais e internacionais, contas e grupos de WhatsApp mapeados por dois coletivos de ativistas digitais que procuraram a reportagem: “Programadores Brasileiros pela Pluralidade e Democracia” e o “Hackers pela Democracia”. Das 1.690 contas de WhatsApp associadas às linhas telefônicas, 1.355 seguem na ativa.

É por essas e outras que o gadinho manso (sinuelo de tropa ou tambeiro como se diz no Rio Grande do Sul) continua tão frenético nas redes sociais.

Salvo exceções de um grande número de bozorocas arrependidas, o gadinho fica reproduzindo figurinhas e bobagens na rede com insistência monástica. Muuuuuuu!

Estoque estratégico de petróleo dos EUA, em cavernas, chega a 640 milhões de barris.

19/09/2019

Após os ataques às principais instalações petrolíferas da Arábia Saudita, as autoridades americanas cogitaram recorrer à reserva estratégica de petróleo dos Estados Unidos.

À medida que o preço do barril disparava no mercado internacional, o presidente americano, Donald Trump, escreveu no Twitter que autorizava o uso desse reservatório “para manter os mercados bem abastecidos, se necessário”.

A reserva a que ele se referia equivale a mais de 640 milhões de barris de petróleo, que estão armazenados em cavernas subterrâneas de sal nos Estados do Texas e da Louisiana.
A ideia de manter “reservas estratégicas” remonta à década de 1970.

Todos os países membros da Agência Internacional de Energia (AIE) precisam armazenar um estoque equivalente a 90 dias de importações de petróleo, mas a reserva emergencial dos EUA é a maior do mundo.

Por que a reserva foi criada?

Os políticos americanos tiveram a ideia de estocar petróleo no início dos anos 1970, depois que um corte no fornecimento de petróleo por parte de países do Oriente Médio fez com que os preços do barril disparassem em todo o mundo.

Membros da Organização dos Países Árabes Exportadores de Petróleo — incluindo Irã, Iraque, Kuwait, Catar e Arábia Saudita — se recusaram a exportar petróleo para os EUA após o país apoiar Israel na Guerra Árabe-Israelense de 1973, também conhecida como Guerra do Yom Kippur.

O conflito, que ocorreu em outubro daquele ano, levou apenas três semanas. Mas o embargo — que também atingiu outros países — durou até março de 1974, fazendo com que os preços do barril quadruplicassem em todo o mundo, saltando de cerca de US$ 3 para quase US$ 12.

As fotos das longas filas de carros nos postos de gasolina, provocadas pelo racionamento de combustível nos países afetados, se tornaram imagens icônicas da crise.
Em 1975, o Congresso dos EUA aprovou a Lei de Política e Conservação de Energia, que estabeleceu a criação da Reserva Estratégica de Petróleo (SPR, na sigla em inglês) para o caso de outra grande crise de abastecimento.

Qual é o tamanho da reserva?

Atualmente, há quatro locais onde o petróleo está armazenado: perto de Freeport e Winnie, no Texas; e nos arredores de Lake Charles e Baton Rouge, na Louisiana.

Cada um destes locais possui várias cavernas subterrâneas de sal feitas pelo homem de até um quilômetro de profundidade, onde o petróleo é armazenado. O tamanho das cavernas varia; podem armazenar o equivalente a entre 6 a 35 milhões de barris.

É muito mais barato mantê-lo assim do que em tanques acima do solo, além de mais seguro — a composição química do sal e a pressão geológica evitam o vazamento de óleo. Além disso, as diferenças de temperatura entre o topo e a base da caverna fazem com que o petróleo circule continuamente, mantendo sua qualidade.

Segundo o Departamento de Energia, o fato do óleo flutuar sobre a água ajuda a mover petróleo desses reservatórios. Basta bombear água fresca na base da caverna para empurrar o petróleo para a superfície. Através de oleodutos, o produto é pode então ser enviado e terminais e refinarias do país.

O maior reservatório, localizado em Bryan Mound, perto de Freeport, tem 19 cavernas e uma capacidade de armazenamento equivalente a 254 milhões de barris de petróleo.

O site da Reserva Estratégica de Petróleo dos EUA afirma que no dia 13 de setembro deste ano havia, no total, 644,8 milhões de barris estocados nessas cavernas.

De acordo com a Agência de Informação de Energia dos EUA (EIA, na sigla em inglês), os americanos usaram 20,5 milhões de barris de petróleo por dia, em média, em 2018 — o que significa que há petróleo suficiente para manter o país funcionando por cerca de 31 dias.

Como a reserva funciona?

Segundo a lei de 1975 assinada por Gerald Ford, então presidente dos EUA, o presidente só pode autorizar a liberação das reservas de petróleo se houver uma “grave interrupção no fornecimento de energia”.

Devido a restrições físicas, apenas uma pequena quantidade de petróleo pode ser removida das cavernas diariamente, o que significa que, mesmo que haja uma autorização presidencial para liberar o petróleo, levaria quase duas semanas para chegar aos mercados.

Além disso, o óleo não é refinado. Precisaria ser transformado em combustível antes de poder ser usado em carros, navios e aviões.

O secretário de energia dos EUA, Rick Perry, disse à emissora de televisão CNBC na segunda-feira que é “um pouco prematuro” falar sobre recorrer à reserva após os ataques na Arábia Saudita.

A reserva é usada com frequência?

A reserva foi usada pela última vez em 2011, quando as turbulências causadas pelos levantes da Primavera Árabe levaram os países membros da AIE a liberar um total combinado de 60 milhões de barris de petróleo para reduzir as interrupções no fornecimento de energia.

No entanto, os EUA recorreram à reserva em algumas ocasiões. O ex-presidente George H. W. Bush autorizou seu uso durante a Guerra do Golfo em 1991, enquanto seu filho George W. Bush permitiu a venda de 11 milhões de barris após a passagem do furacão Katrina.

Mas a utilidade de se manter uma reserva tão grande no momento em que a produção de energia dos EUA está em expansão é questionada. Em Washington, há quem sugira até se livrar dela por completo.

Um relatório do Government Accountability Office, órgão que conduz auditorias e investigações para o Congresso americano, recomendou exatamente isso em 2014, argumentando que a medida poderia baixar o preço do combustível para os consumidores.

Em 2017, o governo Trump discutiu a venda de metade da reserva estratégica para ajudar a combater o deficit federal.

Vinte anos antes, sob a gestão do presidente Bill Clinton, 28 milhões de barris foram vendidos como parte de uma estratégia para reduzir o deficit.

Fonte: BBC

Olha o tamanho da idiotia do Ministro, quem diria, da Educação.

19/09/2019

A educação brasileira passa por uma das piores crises de sua história: aparelhamento político, intervenção ideológica das autoridades e finanças arrasadas. E esse idiota do Ministro fica postando bobagens na internet.