Pular para o conteúdo

09/04/2020

 

 

uniasselvi

 

Jesus de Nazaré vive na fé dos oprimidos!

10/04/2020

Frase do engenheiro e ativista Toni Bulhões, no Twitter:

“Foi num dia como hoje, há 1.987 anos, que foi crucificado, diante de uma horda de minions, o mais famoso e influente revolucionário comunista de todos os tempos: Jesus de Nazaré.”

De fato: Jesus de Nazaré não é o sujeito reacionário e conservador que vigaristas do porte de Malafeia, Valdemonho e o Edículo Retrocedo, que chegou a curtir uma cadeia, em 1992, por charlatanismo, curandeirismo e estelionato.

Não acredito em céu e inferno, mas se houver algum tipo de condenação após a morte, esses caras serão os limpadores de privada da suíte residencial do Capeta.

Bolsonaro e comitiva vão à padaria comer sonhos. Na saída, vaias e apupos.

10/04/2020

 

O vídeo foi publicado pela deputada distrital Arlete Sampaio no twitter.

 

Gente que deveria ser muito esclarecida também não acredita!

10/04/2020

Ângela Vidal Gandra da Silva Martins é jurista e advogada, atualmente secretária nacional da Família.

É professora na Universidade Presbiteriana Mackenzie e membro da Academia Paulista de Letras Jurídicas.

Coronavírus: é muito difícil acreditar naquilo que não se enxerga.

10/04/2020

Números das secretarias de Saúde dos estados até às 21h50 de ontem.

Número de infectados: 18.146

Número de mortos: 954

Não estão contabilizados os casos suspeitos que, segundo  apurações pelo Brasil, chegam a mais de 262 mil. (sub-testagem e sub-notificações).

Um homem de 65 anos, morador de Ilhéus foi o 19º caso de morte confirmada por coronavírus na Bahia, segundo divulgou nesta quinta-feira (9) a Secretaria da Saúde do Estado da Bahia.

Ele tinha histórico de pneumonia crônica. Segundo o último boletim da Sesab, a Bahia tem 515 casos confirmados de covid-19.

Luís Eduardo Magalhães

Ontem à tarde, as ruas do centro de Luís Eduardo Magalhães fervilhavam de pessoas no centro. Filas para entrar na maioria das lojas.

Os funcionários de lojas usavam máscaras e alguns luvas. Mas entre os clientes, nenhum.

É difícil de crer em coisas em que não se vê. O problema maior vai ser na hora da disputa por um dos 5 leitos de UTI que estarão à disposição em Luís Eduardo Magalhães.

Quando lotar a UTI faz o quê? Manda pra Salvador de ambulância?

Ou providencia o caixão lacrado e enterra no brejo do Rio dos Cachorros? Triste final.

Páscoa feliz e boas ofertas nos supermercados Marabá

10/04/2020




 

Eles acreditam em tudo o que dizem nas mídias sociais

09/04/2020

Já tem gente procurando Norton, McAfee e Panda nas farmácias. Melhor que elimina os vírus e os spywares.

Adivinha em quem a loira sexy dos anos 50 votou?

IBGE estima crescimento de 5% da produção de grãos na Bahia para 2020

09/04/2020

Soja na Bahia. Foto Aciagri.

O terceiro Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), relativo ao mês de março, estimou a produção baiana de cereais, oleaginosas e leguminosas para este ano em torno de 8,7 milhões de toneladas, o que representa uma expansão de 5,0% na comparação com 2019. Em fevereiro, o levantamento apontava uma produção total de 8,8 milhões de toneladas.

Em relação à área plantada, o IBGE projeta uma ligeira retração de 0,7% na comparação anual, registrando uma extensão de cerca de 3,1 milhões de hectares. As informações, divulgadas nesta quinta-feira (9), foram sistematizadas e analisadas pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), autarquia vinculada à Secretaria do Planejamento (Seplan).

“Esta é uma estimativa positiva para a Bahia, com expansão significativa da nossa lavoura, o que revela a eficiência das políticas públicas adotadas pelo Governo do Estado no estímulo à nossa produção agrícola. Destaque para as lavouras de soja, milho, feijão, cacau, café, tomate e cebola, cuja estimativa aponta crescimento em comparação a 2019”, destaca o secretário estadual do Planejamento, Walter Pinheiro.

A produção de soja, lavoura cuja colheita já está em andamento, continuou estimada em 5,5 milhões de toneladas, em área plantada de 1,6 milhão de hectares, o que resulta numa expansão de 4,0% em comparação com o volume produzido na safra anterior.

A estimativa para a safra de milho foi mantida em 1,9 milhão de toneladas, plantadas em 593,5 mil hectares, representando uma alta de 14,8% em relação a 2019. A primeira safra do cereal deve ser responsável  por 1,5 milhão de toneladas, em 363,5 mil hectares. Por sua vez, a expectativa para a segunda safra da lavoura é de 359 mil toneladas plantadas em 230 mil hectares.

A previsão para o feijão também foi mantida, sendo estimado um total de 321 mil toneladas, superando em 10,7% a produção de 2019. A área plantada totaliza 456 mil hectares. A principal contribuição virá da segunda safra cujo volume estimado é de 184,2 mil toneladas, o que representa uma alta de 56,6% na comparação anual.

O algodão teve sua estimativa revisada de 1,5 milhão para 1,4 milhão de toneladas, representando uma queda de 7,6%, em relação à safra anterior. A área plantada também foi revista, passando a ser projetada em 315 mil hectares, correspondendo a um recuo de 5,1% na mesma base de comparação.

A produção de cacau foi novamente revisada para cima, ficando estimada em 122 mil toneladas este ano, correspondendo a uma alta expressiva de 16,2% na comparação com 2019. Para a lavoura da cana-de-açúcar, o IBGE estima uma produção de 4,0 milhões de toneladas, projetando uma retração de 3,9% em relação à safra anterior.

A expectativa para a produção total de café manteve-se estável em 181 mil toneladas. A safra do tipo arábica está projetada em 74,3 mil toneladas, o que representa uma variação anual de 2,6%. A safra do canephora está estimada em 106,6 mil toneladas, correspondendo a um recuo de 1,4%, na comparação com 2019. Por sua vez, as lavouras de banana, laranja e uva apresentaram estimativas de queda respectivamente de 12,9%, 0,7% e 21,8% em relação à safra anterior.

Outras lavouras temporárias

As projeções indicam uma produção de mandioca de 963 mil toneladas, mantendo-se estável em relação à safra passada. A produção de cebola deve encerrar o ciclo com alta de 3,9% em relação à colheita anterior, totalizando 302,4 mil toneladas. A estimativa para o tomate também se manteve positiva, podendo alcançar 284,8 mil toneladas, que corresponde a uma expansão de 3,3% sobre a safra de 2019.