Skip to content

E se a gente fizesse o mesmo por aqui?

18/09/2014

deputado no lixo

E se a gente colocasse um deputado por dia no lixo, como fizeram na Ucrânia? Os vereadores a gente deixava amarradinho, na calçada, para o pessoal da Coleta Seletiva levar para reciclar. Linguiça, não dá. Mas dá uma ração que é uma beleza.

22ª rodada do Brasileirão começa com surpresas

18/09/2014
Festa baiana no Maracanã

Festa baiana no Maracanã

Olha o Bahia aí, gente: o Botafogo teve 3 expulsos e foi vencido pelo tricolor baiano por 3×2 em pleno Maracanã, de virada. Com o resultado, o Botafogo caiu para a 17ª posição, com 22 pontos, na zona de rebaixamento. Já o Bahia deixou a zona de degola com a vitória e está na 16ª colocação, com 23 pontos. No próximo sábado, o Botafogo enfrenta o Criciúma, no Heriberto Hülse, em Santa Catarina. Já o Bahia disputa o clássico contra o Vitória, na Fonte Nova, no domingo.

O Vitória, por seu turno, conseguiu um resultado muito importante na sua briga para evitar o rebaixamento. Em partida disputada na noite desta quarta-feira, no Barradão, o time rubro-negro derrotou o Fluminense, de virada, por 3 a 1 e melhorou sua situação, embora continue em situação muito complicada, na zona de rebaixamento.

No Pacaembu, o Flamengo vencia por 2×0. Mas cedeu o empate para o Palmeiras. No próximo domingo, o Flamengo terá o clássico diante do Fluminense, no Maracanã. Se vencer, pode colar de vez no grupo que disputa uma vaga na Libertadores. Enquanto isso, o Palmeiras segue o calvário buscando sair da zona de rebaixamento no mesmo dia, fora de casa, contra o Goiás. O Verdão precisa vencer desesperadamente.

Por outro lado, o São Paulo interrompeu uma série de 9 vitórias, ao perder para o Coritiba. O Coritiba surpreendeu e venceu o São Paulo, de virada, por 3 a 1, nesta quarta-feira, no Couto Pereira, pela 22ª rodada do Campeonato Brasileiro. Com o resultado, o Coxa saiu da zona de rebaixamento da competição. Desde a quarta rodada o clube estava entre os quatro piores do campeonato. A diferença do São Paulo, ainda em segundo, para o Cruzeiro, porém, voltou para sete pontos, já que a Raposa derrotou o Atlético-PR por 2 a 0.

Em uma partida ruim de se ver na Arena Pernambuco, Sport e Internacional empataram em 0 a 0 na noite desta quarta-feira. As duas equipes erraram muito, principalmente no segundo tempo, e desperdiçaram também as raras chances criadas. O Leão não conseguiu aproveitar o fator local, ponto forte da equipe no Campeonato Brasileiro. Já o Colorado viu frustrada a tentativa de engatar uma nova sequência de vitórias.

Com o resultado, o Leão chega aos 32 pontos, na 7ª colocação, mas pode ser ultrapassado por Atlético-MG e Santos nesta quinta. No domingo, recebe o Coritiba em Recife. Já o time gaúcho, com 38 pontos, pode ser superado pelo Corinthians e perder a terceira posição. No sábado, enfrenta o Atlético-PR, em Curitiba.

Os catarinenses Figueirense e Criciúma empataram pelo escore mínimo.

Nesta quinta, jogam Corinthians e Chapecoense, Goiás e Atlético MG e Grêmio x Santos. Comentários do Lancenet editados por este jornal.

O direito do canalha de permanecer calado

17/09/2014

PauloRobertoAgSenado

Relato de Josias de Souza

“O senhor sabe que, hoje, o nome que o senhor falar está morto”, disse o deputado Sandro Mabel (PMDB-GO) a Paulo Roberto Costa. Ele chegara à CPI da Petrobras havia quase três horas. Desde o início da sessão, invocara o seu direito constitucional ao silêncio. Mas Mabel queria que o petrodelator ao menos retirasse da fogueira os nomes que ardem no noticiário como beneficiários de propinas.

Entre esses nomes, há dois caciques do partido de Mabel: Renan Calheiros e Henrique Alves, presidentes do Senado e da Câmara. “Ninguém sabe se o senhor falou ou não os nomes dessas pessoas”, lamuriou-se o deputado. O ex-diretor da Petrobras não se deu por achado: “Desculpe, mas reitero minha posição, me permito ficar calado.”

Correligionário do ex-presidenciável Eduardo Campos, incluído depois de morto na lista de supostos alvos da delação de Paulo Roberto, o deputado Júlio Delgado voltou à carga: “…Vou tentar mais uma vez: o senhor confirma esses nomes todos que já foram citados nos órgãos de imprensa? Confirma a participação deles em algum esquema da Petrobras?” E o delator: “Desculpe, mas nada a declarar.”

O silêncio do delator era previsível. Se abrisse o bico, ele correria o risco de perder os benefícios judiciais que reivindica como prêmio no acordo de delação que firmou com a Procuradoria da República. Contra esse pano de fundo, o líder do PMDB, deputado Eduardo Cunha (RJ), cujo nome também foi lançado na fogueira de uma lista, animou-se a inquirir o não-depoente.

Eduardo Cunha soou inespecífico: “Quero saber se o depoente confirma a divulgação de nomes que supostamente teriam sido citados. E, se confirma, qual é a condição e qual é o fato?” Paulo Roberto manteve-se impassível: “Nada a declarar”.

Por menos democracia e mais patíbulos em praças públicas

17/09/2014

A Câmara e o Senado custarão mais de R$ 8,7 bilhões, em 2014, mas trabalham tão pouco que deveriam indenizar os contribuintes que os sustentam: os dias de fato trabalhados nas duas casas não chegarão à metade dos 365 dias do ano – em razão dos recessos, oficiais ou “brancos”, Copa e eleições. Os políticos não aparecem para trabalhar, mas recebem os salários de R$ 26.723,13 rigorosamente em dia. É o que afirma o jornalista Cláudio Humberto, no site Diário do Poder.

Mais rodovias, mais educação, mais saúde. Quem sabe a gente fecha aquele prostíbulo  de Brasília?

Mais rodovias, mais educação, mais saúde. Quem sabe a gente fecha aquele prostíbulo de Brasília? Foto de Carlos Alberto Reis Sampaio na BR 020.

Um quilômetro de rodovia custa até R$1,8 milhão ao contribuinte, mas poderia custar em torno de R$500 mil sem o ônus da sacanagem geral e irrestrita.

Se o País fechasse esse Congresso inútil por apenas um ano, poderia construir 17.400 quilômetros de estradas asfaltadas de boa qualidade.

Como sempre digo, precisamos de um pouco menos de democracia e um pouco mais de patíbulos. Se executássemos uns 10 corruptos por ano, teríamos mais austeridade nesta imensa pátria tropical.

Nesta quinta, reunião da UMOB em Angical

17/09/2014
tags: ,

Amanhã, quinta-feira, acontecerá a Assembleia Geral Itinerante da União dos Municípios do Oeste, no município de Angical, a partir das 14h na sede da Associação Atlética Banco do Brasil (AABB), no centro da cidade. O encontro contará com a presença do Secretario de Educação do Estado da Bahia, Osvaldo Barreto, oportunidade em que os prefeitos poderão solicitar suas principais necessidades.

Para o prefeito anfitrião, Leopoldo de Oliveira Neto, esta reunião itinerante da UMOB em Angical é um momento ímpar e significativo para a população angicalense. “Será uma ótima oportunidade de se discutir o tema Educação, nosso município, temos duas demandas emergenciais, a construção de uma creche no distrito de Missão do Aricobé e os repasses do Programa de Educação Tutorial (PET)”.

Barreiras, 40 graus

17/09/2014

Rio Grande

Barreiras, hoje no final da tarde, 36 graus centígrados nos termômetros, depois de quase bater nos 40º durante a tarde. O Rio Grande, de grande só conserva o nome, depois de uma seca que chega a quase 150 dias. E que se preparem: no final de semana a temperatura sobe. Segunda-feira, 22, vai ser outro dia de recordes na temperatura. Terça-feira entra a Nova, lua de revoluções no clima. Se não der, chuva mesmo no final de outubro. Até lá, frita-se ovo em qualquer calçada.

Ibope mostra rejeição aos candidatos

17/09/2014

Na pesquisa divulgada ontem, o Ibope também perguntou em que candidato o eleitor não votaria de jeito nenhum. Confira abaixo os resultados:

Dilma Roussef: 32%
Aécio Neves: 19%
Pastor Everaldo: 17%
Marina Silva: 14%
Levy Fidelix: 12%
Zé Maria: 12%
Eymael: 11%
Luciana Genro: 11%
Mauro Iasi: 10%
Rui Costa Pimenta: 10%
Eduardo Jorge: 9%

Foram ouvidos 3.010 eleitores em 204 municípios entre os dias 13 e 15 de setembro. A margem de erro da pesquisa é de 2% para mais ou menos e o nível de confiança é de 95%.

É compreensível que Dona Dilma esteja com rejeição alta. Está no poder. Mas e o Pastor Everaldo, que tem 17%? É sectarismo? Quando os ingredientes política e religião se misturam, o resultado nem sempre é bom. 

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 125 outros seguidores