Skip to content

Projeto Cidade Digital de Luís Eduardo Magalhães será implantado em outras cidades da região  

22/06/2016

 O objetivo é apresentar os resultados e iniciativas alcançadas no município e possíveis soluções a serem implantadas na região

Três anos depois de o município de Luís Eduardo Magalhães ser contemplado com o projeto Cidade Digital do então Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), outros municípios da região oeste foram agraciados com o projeto: Buritirama, Barra, Brejolândia, Cotegipe, Santa Rita de Cássia e São Desidério. Representantes destes municípios e outras autoridades dos governos federal e estadual participam nesta terça e quarta-feira, 21 e 22 de junho do I Workshop de Tecnologia. O objetivo é apresentar os resultados e iniciativas alcançadas no município e possíveis soluções a serem implantadas na região.

“Estamos montando uma verdadeira rede entre os municípios. A ideia é interligar os municípios da região oeste através da tecnologia, fazendo com que o projeto ganhe status regional”, disse o prefeito de Luís Eduardo Magalhães, Humberto Santa Cruz na abertura do evento realizado no Buffet Olavo Nascimento. Muitas dessas conquistas se tornaram possíveis durante a gestão do prefeito na presidência da União dos Municípios do Oeste da Bahia (UMOB), entre os anos de 2013 e 2014. Segundo o vice-presidente do Instituto Expertar e consultor em tecnologia Werther Brandão a intenção é pensar o Oeste da Bahia como um todo. “Nossa região tem oito municípios com investimentos do Governo Federal em projetos de Cidade Digital. Temos tudo para ser um polo tecnológico no Brasil”, comentou.

 trabalho desenvolvido no município ganhou ainda mais respaldo depois da recente vinda do governador Rui Costa para a Bahia Farm Show deste ano, quando ele quebrou o protocolo para uma visita ao Centro de Controle e Operações (CCO). Representando o Governo Estadual no Workshop, o Coordenador Executivo de Infraestrutura de Tecnologia de Informação da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado da Bahia, Hernesto Nyamoto, destacou a capacidade de inovar, principalmente na área de tecnologia, apresentada por Luís Eduardo Magalhães e região. “Nós temos voltado os olhos para essa região e  realizado visitas in loco visando contribuir com o desenvolvimento da tecnologia e inovação local”, observou.

Para o Secretário de Inclusão Digital do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicação, Américo Tristão Bernardes o trabalho pioneiro desenvolvido em Luís Eduardo Magalhães na área de ciência e tecnologia e que, após a aprovação para implantação em outras cidades da região, se tornará regional traduz-se como uma iniciativa de futuro. “Municípios pequenos e médios vão se tornar pólos futuramente criando mecanismos de emprego e renda”, observou. 

Também prestigiaram a abertura do I Workshop de Tecnologia de Luís Eduardo Magalhães Paê Barbosa, o vice-prefeito de Barreiras; José Conceição dos Santos, prefeito de Wanderley; Sérgio Pitt, secretário de Indústria, Comércio e Serviços e secretário interino de Ciência, Tecnologia e Inovação; Cândido Henrique Trilha, secretário de Governo; Maira de Andrada Santa Cruz, secretária de Trabalho e Assistência Social; Fernanda Fischer, secretária de Saúde; Carlos Augusto Daniel, secretário de Planejamento, Orçamento e Gestão; Waldemar Leite Lobo, secretário de Infraestrutura; Marli Cenci, secretária de Educação; Fernanda Aguiar, secretária de Meio Ambiente e Economia Solidária; Deusdete Petronilo, Zezé da Farmácia e Mardônio da Rocha, vereadores; Jaques Antônio Miranda, vice-reitor da Universidade Federal do Oeste da Bahia (UFOB); Alexander Rose, representando a Huawei; Eduardo Pimentel, Total BR e Emerson Silva, 7Lan. 

 

Governo diz que vai importar feijão para baixar o preço

22/06/2016
Feijão caupi, o mais consumido no Nordeste

Feijão caupi, o mais consumido no Nordeste

Para baixar o preço do feijão nos supermercados, o governo federal tomou providências de liberação da importação do produto de países vizinhos do Mercosul: Argentina, Paraguai e Bolívia. O presidente em exercício Michel Temer fez a requisição ao ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Blairo Maggi. Em entrevista ao Portal do Planalto, Maggi Disse que também está sendo estudada a possibilidade de trazer o produto do México, após a assinatura de um acordo sanitário, e da China. 

O preço do principal produto na mesa dos brasileiros subiu em função de questões climáticas, que ocasionou a perda de praticamente todas a safra no Centro-Oeste, explicou o ministro. Isso ocasionou uma queda na oferta e um aumento na demanda, fazendo com que os preços subissem.

Outra medida que está sendo tomada, afirmou o ministro, é de negociar com grandes redes de supermercado para que busquem o produto onde há maior oferta.

“Pessoalmente tenho me envolvido nas negociações com os cerealistas, com os grandes supermercados, para que eles possam fugir do tradicional que se faz no Brasil, e ir diretamente à fonte onde tem esse produto e trazer. E à medida que o produto vai chegando no Brasil, nós temos certeza que o preço cederá à medida em que o mercado for abastecido”.

O problema do feijão mais usado na mesa dos brasileiros, o carioquinha, é a rápida perda de qualidade. Com 2 meses o carioca escurece e com 6 meses não cozinha mais. O feijão preto, usado na Região Sul, Rio de Janeiro e parte da Bahia e de Minas está, no mercado, a metade do preço do Carioca. 

Importar não é a solução. A maioria dos cultivares de feijão produzem com 90 dias e alguns mais precoces em 70 dias. Plantar é a solução e o Ministro da Agricultura sabe disso.

Promotor de Justiça da Lava-Jato: corrupção no país não é exclusiva de governos ou partidos específicos

22/06/2016

Brasília - O procurador da República, coordenador da Força Tarefa do Ministério Público Federal na Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol, durante Comissão Geral da Câmara dos Deputados para debater o projeto de O procurador da República, coordenador da Força Tarefa do Ministério Público Federal na Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol, em debate na Comissão Geral da Câmara dos Deputados. Marcelo Camargo/Agência Brasil

O coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba (PR), o procurador da República Deltan Dallagnol, disse hoje (22) na Câmara dos Deputados, que a corrupção no Brasil é “histórica, endêmica, sistemática e se arrasta ao longo das últimas décadas”. O procurador participou de debate na Casa sobre o projeto de lei (PL 4.850/16) que reúne as 10 medidas contra a corrupção sugeridas pelo Ministério Público.

Brasília - O procurador da República, coordenador da Força Tarefa do Ministério Público Federal na Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol, durante Comissão Geral da Câmara dos Deputados para debater o projeto de

O procurador disse que há, no Brasil, um sistema “desfuncional” que opera contra o pobre, mas não contra pessoas influentes. Marcelo Camargo/Agência Brasil

Dallagnol destacou que o crime de corrupção não é exclusividade de um determinado partido ou governo e atribuiu à impunidade um dos principais fatores de estímulo a este tipo de prática. “No Brasil a punição da corrupção é uma piada de mau gosto. A punição começa com dois anos e a pessoa acaba prestando serviços à sociedade e vai doar cestas básicas. Estamos expostos a nossos inimigos”, disse, ao citar estudo da Fundação Getúlio Vargas que aponta que a probabilidade de punição em casos de corrupção é de 3%.

“Minha vida é uma vida de sofrimento com a corrupção e de insucesso na luta contra a corrupção”, lamentou, ao citar casos em que atuou, como o de desvio de bilhões de dólares no caso Banestado, em que várias penas deixaram de ser aplicadas contra autoridades por terem prescrevido ou ainda aguardarem decisão da Justiça.

Segundo Dallagnol, sua experiência em situações como esta, em que os resultados não se concretizam com a prisão de responsáveis por irregularidades, não é “única, mas é regra. “Tenho centenas de colegas por todo o país que vivem e experimentam a impunidade das pessoas influentes”. Na opinão do procurador, há, no Brasil, um sistema “desfuncional” que opera contra o pobre, mas não contra pessoas influentes.

A Câmara dos Deputados realiza comissão geral para discutir o Projeto de Lei 4850 de 2016

O presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), autorizou a instalação de uma comissão especial para analisar a matériaMarcelo Camargo/Agência Brasil

Primeiro convidado a falar na Comissão Geral da Câmara, Dallagnol citou levantamentos que estimam o desvio de R$ 200 milhões, em decorrência de crimes de corrupção no país. Segundo ele, estes valores poderiam triplicar os investimentos federais em saúde, em educação “ou quintuplicar o que se investe em segurança pública na federação inteira. “Poderíamos ter um país muito melhor”, afirmou. Ele lembrou que quanto maiores os índices de corrupção, menores são os de desenvolvimento econômico e social. “É uma assassina sorrateira, invisível e de massa. Se disfarça em buracos nas estradas, remédios vencidos, crimes de rua e pobreza”, ressaltou.

Projeto

O projeto de lei, com as colaborações do Ministério Público, recebeu mais de 2,2 milhões de assinaturas, desde que foi lançado, em março deste ano. Na última semana, o presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), autorizou a instalação de uma comissão especial para analisar a matéria, mas líderes partidários ainda não indicaram os nomes dos 30 titulares e outros 30 suplentes que integrarão o colegiado.

Conhecido como “10 medidas contra a corrupção”, o projeto reúne 20 propostas de alterações legislativas para aprimorar a legislação de combate a este tipo de crime, incluindo a criminalização do enriquecimento ilícito, aumento das penas e crime hediondo para corrupção de altos valores e medidas para garantir celeridade nas ações de improbidade administrativa.

São Paulo O Ministério Público comemora o registro 1,5 milhão de assinaturas para a campanha Dez Medidas contra a Corrupção. Participaram do evento os procuradores Thamea Danelon Valiengo, Deltan Dallagnol, T

Também participaram do evento os procuradores Thamea Danelon Valiengo, Deltan Dallagnol, Thiago Lacerda Nobre, Carlos Fernando dos Santos Lima e o subprocurador da República Nicolao Dino. Foto Rovena Rosa/Agência Brasil

Dallagnol destacou que as medidas têm como foco trazer punição adequada que “saia do papel”, criar instrumentos para a recuperação do dinheiro desviado e criar uma consciência sobre os prejuízos gerados pela corrupção. “As punições se aplicam para o futuro”, disse, lembrando que o objetivo é que “possamos evitar que se repitam, e que sucessivos escândalos aconteçam no futuro”, afirmou, reforçando que as medidas são apartidárias “porque corrupção é apartidária no Brasil”.

Também participaram do evento os procuradores Thamea Danelon Valiengo, Deltan Dallagnol, Thiago Lacerda Nobre, Carlos Fernando dos Santos Lima e o subprocurador da República, Nicolao Dino. Edição: Maria Claudia, da Agência Brasil

Prefeito de Lauro de Freitas é obrigado a demitir 3 mil contratados

22/06/2016

18415,prefeito-de-lauro-de-freitas-tera-que-demitir-mais-de-3-mil-servidores-2

Foto: Tácio Moreira/Metropress. Informações Bahia10.

O prefeito de Lauro de Freitas, Márcio Paiva, terá que demitir três mil servidores que possuem contratos temporários com o município. A medida é uma resposta a uma Ação Civil Pública movida pelo Ministério Público da Bahia (MP-Ba), que obrigou a Prefeitura a adequar o quantitativo de servidores concursados.

Caso Paiva não cumpra a determinação, ele pode ficar sujeito a responder por improbidade administrativa. Por meio de nota enviada ao Metro1, o Departamento de Comunicação municipal classificou a medida como “impopular” e lamentou ter que rescindir os contratos.

“A Prefeitura lamenta essa circunstância inusitada e destaca que mesmo com a crise que castiga estados e municípios, a cidade de Lauro de Freitas tem buscado viabilizar formas de valorizar os servidores cada vez mais”, afirma o texto.

Distrito do Rosário inaugura neste sábado o Posto de Saúde da Família

22/06/2016

psf rosário

A vereadora Nice do Rosário está convidando os correntinenses para a inauguração do PSF do Rosário, neste sábado, 25, às 17 horas. Rosário está a mais de 160 km da sede do Município e o “Postinho” era muito aguardado por todos os fronteiriços.

Desembargador traz Jabes Junior de volta num canetaço

22/06/2016

O prefeito de Formosa do Rio Preto, Jabes Lustosa Nogueira Júnior, afastado do cargo,  conseguiu o direito de retornar ao posto. Uma liminar concedida nesta quarta-feira (22) pelo desembargador Augusto Lima de Bispo garante a volta ao cargo por Jabes Júnior. Segundo sentença desta quarta, a decisão vale até o julgamento final do mandado.

Jabes também teve os bens desbloqueados nesta segunda-feira (21). O político é acusado de fraudar contratos de serviços. No dia 24 de maio, a Câmara Especial do Extremo Oeste, em Barreiras, afastou o prefeito por 180 dias por ação de improbidade administrativa sobre atos lesivos à prefeitura ao contratar empresa “fantasma” para serviços gráficos.

Ainda conforme a acusação, a empresa delegada para o serviço gráfico teria como sede a cidade de Catolândia, mas foi constatado indício da não existência da companhia. O Portal da Transparência do Município informa gastos de mais de R$ 1 milhão em aquisição de material gráfico.

 

Seca no Ceará – e em todo o Nordeste – entra no seu quinto ano

22/06/2016

ceará

A Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) confirmou hoje (13) o que os prognósticos apontavam: 2016 é o quinto ano seguido de seca no Ceará. A quadra chuvosa, período que vai de fevereiro a maio, em que são esperadas chuvas mais intensas no estado, registrou precipitações 45% abaixo da média histórica.

O resultado coloca 2016 na lista dos 10 anos mais secos no Ceará desde 1951. De fevereiro a maio deste ano, choveu 329 milímetros (mm), bem abaixo da média histórica de 600 mm. Das 10 piores secas no estado, quatro ocorreram desta década (2010, 2012, 2013 e 2016).

jun_16_buriti Barreiras_blog rede social_Ford Ka_moitinho