Pular para o conteúdo

Presidente da ANVISA critica “capitalismo selvagem” na produção de vacinas e elogia Sputnik V.

11/05/2021

Antonio Barra Torres (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)

Em depoimento à CPI do Genocídio na manhã desta terça-feira (11), o presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, criticou o “capitalismo selvagem” ao ser indagado pelo relator, Renan Calheiros (MDB-AL), sobre a questão da dependência do Brasil em relação a outros países – como a Índia e a China – para produção de insumos para fabricação da vacina contra a Covid-19.

“Entendo que a produção de insumos essenciais – e aí eu amplio esse conceito para qualquer campo da atividade humana – se deu por comprovado no advento da pandemia que é estratégico, é soberano e é essencial. A opinião que tenho, senador Renan Calheiros, é que ao longo de décadas e décadas de capitalismo, que qualifico como selvagem, que visava o lucro exclusivamente da empresa, a mão de obra barata e a atratividade fiscal, fábricas e mais fábricas foram colocadas em países onde havia atratividade fiscal, mão de obra mais barata, fartura de insumos. Isso foi muito bem num período não pandêmico. Quando houve a pandemia e 7 bilhões de pessoas querem o mesmo produto, essas potências que fabricam esses insumos, claro, demonstraram para o resto do mundo o quando foi errado investir nesse conceito”, disse Barra Torres, estendendo seu raciocínio à economia em geral, o que confronta com a visão neoliberal de Paulo Guedes e do governo Jair Bolsonaro.

“Portanto, transforme-se o país amanhã ou depois em autossuficiente nesses insumos e em quaisquer outros insumos essenciais – e a pandemia está mostrando bem isso – será um fator de força e soberania nacional, com certeza”, completou.

Na sequência, Barra Torres foi indagado sobre a suspensão do processo de autorização da vacina russa Sputnik V. Ele elogiou o imunizante, mas disse que o processo está parado porque falta o envio de informações pela União Química, responsável pelo medicamento no Brasil.

“A autorização de uso emergencial da Sputnik V encontra-se em análise na agência sob a submissão de documentos da empresa União Química. No momento de hoje, estamos com a análise parada para que a União Química forneça as informações”, afirmou Barra Torres.

O presidente da Anvisa, no entanto, ressaltou que é “importante que se entenda que esse processo de interrupção ou negativa excepcional de importação não deve somar a essa marca, Sputnik V, nenhum pensamento negativo”.

No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: