Pular para o conteúdo

Vamos viver tempos negros, um verdadeiro tsunami social e político.

27/10/2020

Zé Dirceu prevê uma tempestade social e política chegando ao Brasil. Em artigo, ex-ministro denuncia conivência das elites e da “mídia monopolista” com a “degradação política” de Bolsonaro, critica a política econômica de austeridade do governo e projeta um agravamento da crise social que “vai atingir a todos”

Por Ivan Longo, na Revista Fórum

O ex-ministro José Dirceu (PT), em artigo publicado nesta terça-feira (27) no site Poder 360, fez uma análise de conjuntura política do Brasil e projetou um cenário de “tempestade social”, motivado pela política econômica de austeridade do governo, que segundo ele “vai atingir a todos”.

Segundo Dirceu, o fim do auxílio emergencial, que Bolsonaro estendeu até o final do ano, com parcelas reduzidas, vai se somar ao crescente desemprego, gerando recessão.

O ex-ministro aponta que as políticas de austeridade do governo vão no caminho contrário do mundo e tendem a agravar a “tempestade social”, que já é dada como certa.

“Insistem e persistem numa política, dita de austeridade, para os trabalhadores e classes médias, que não deu certo em nenhum lugar do mundo e que hoje é contestada até pelo FMI. Enquanto a Europa e os Estados Unidos retomam a política de endividamento e emissão de moeda via dívida pública, e seus bancos centrais e os governos mantêm a renda e o emprego, investem e financiam as empresas, aqui só se fala em teto de gastos, em dívida pública, em juros mais altos”, afirma.

“Chegamos ao absurdo de cortar salários e aumentar impostos, não sobre a renda, a riqueza e o patrimônio, sobre lucros e dividendos, lucro sobre o capital próprio, grandes fortunas, heranças e doações, mas sobre bens e serviços, agravando ainda mais nossa estrutura tributária injusta, indireta e regressiva”, completa o petista.

No texto, o advogado ainda denuncia a conivência das elites econômicas do país, incluindo a “mídia monopolista”, com a degradação política do governo Bolsonaro.

“Uma palavra sobre a degradação política do governo Bolsonaro, sob o olhar conivente e conciliador da maioria da elite econômica e política do país, incluindo aí a mídia monopolista, na ilusão de que o capitão continuará popular e já se adapta aos bons modos do jogo político do Centrão e da oposição liberal de direita, do ‘Estado de Direito’ regido pelo STF”, escreve.

“Nem mesmo as evidentes e públicas provas dadas pelo presidente de uma incapacidade para o cargo, a perigosa e nefasta presença de sua família e os riscos da volta do militarismo fazem nossa elite política, judicial e empresarial acordar para os riscos que a democracia e a nação correm”, continua Dirceu.

Em outro ponto do artigo, o ex-chefe da Casa Civil elenca caminhos que poderiam evitar o agravamento da crise política e social. Entre suas propostas, estão a instauração de uma renda básica de R$600, aumento no valor do Bolsa Família e, entre outras, “uma ampla reforma tributária e do sistema financeiro bancário”.

“Os fatos desmentem o fervor messiânico no neoliberalismo, que perde força no mundo. Há um novo consenso mundial sobre o papel do Estado e do investimento público e, agora, a Europa e os próprios Estados Unidos estão trilhando esse caminho. Sem não pôr um fim na atual estrutura tributária e ao cartel bancário, o Brasil continuará à margem do crescimento com bem-estar social. Pior, só vai reforçar a concentração de riqueza via a expropriação da renda e do salário por juros reais absurdos e impostos regressivos”, analisa.

No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: