Pular para o conteúdo

Para além da política, Bolsonaro tem muito o que aprender com Lula

01/11/2019

Por Marina Amaral, codiretora da Agência Pública, em sua newsletter semanal

De todas as impressões que levei da entrevista com Lula na Polícia Federal de Curitiba a mais forte é a dignidade intocada do ex-presidente.

Bombardeado pela mídia, barbarizado nas redes sociais e, mais grave, perseguido por quem deveria fazer Justiça (vide Vaza Jato), Lula mantém a altivez sem arrogância, conquistando o respeito dos que o rodeiam.

Não há regalias na prisão nem mesmo quando o presidente recebe visitas importantes – entre elas dois agraciados com o Prêmio Nobel da Paz – Adolfo Perez Esquivel e, mais recentemente, o indiano Kailash Satyarthi.

Os horários de visita e os protocolos são respeitados sem pedidos ou hostilidade. Não foi diferente na entrevista que fizemos na quarta-feira; esgotado o tempo estabelecido pela PF, ele interrompeu a fala, sem dar margem a qualquer tipo de intimidação.

Como os verdadeiros democratas, Lula sabe que as regras são para todos e os profissionais estão apenas cumprindo os seus deveres; aos graúdos, que detêm a responsabilidade pela situação a que está sujeito, é que sua indignação se dirige.

Por sua vez, os policiais o tratam por “presidente” e, embora quase sempre calados, um deles, que não participa da rotina da carceragem, chegou a manifestar sua admiração pela inteligência do ex-presidente, definindo-o como “uma enciclopédia”.

A dignidade se mantém até quando ele fala do atual presidente, que já o achincalhou de todas as maneiras. Perguntado sobre o depoimento do porteiro, que, no mínimo, trouxe mais uma vez à tona a proximidade do clã no poder com milicianos assassinos, ele imediatamente destacou que Bolsonaro estava em Brasília quando teria sido procurado pelo acusado de matar Marielle Franco, como aliás mostrou a reportagem do Jornal Nacional.

“Queria que a Globo fosse honesta comigo como foi com Bolsonaro”, limitou-se a dizer.

A única crítica pessoal que fez ao atual presidente foi em relação à sua postura, indecorosa para o cargo que ocupa.

“Você nunca me viu num gesto histérico como ele ontem. Um presidente não pode ser assim”, disse, referindo-se à famosa live de Bolsonaro depois do Jornal Nacional de terça-feira.

Não pudemos falar sobre o destempero de Eduardo, o filho, que incomodado com as críticas ao governo, chegou a falar em “novo AI-5” em entrevista divulgada ontem. Os que não podem inspirar respeito, apelam para o terror.

No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: