Pular para o conteúdo

A educação violentada: Bolsonaro intervem em eleições nas universidades

04/10/2019

De , do Intercept.

Durante um café com parlamentares da bancada evangélica no Palácio do Planalto, na manhã de 11 de julho, Jair Bolsonaro entregou o jogo: literalmente lamentou que, por lei, o presidente deva escolher e empossar reitores indicados pelas listas tríplices das instituições federais de ensino. Formadas pelos três candidatos mais votados em eleições dentro das universidades, as listas são uma maneira de garantir a autonomia universitária.

“Ali virou terra deles, eles é que mandam. Tanto é que as listas tríplices que chegam pra nós muitas vezes não temos como fugir, é do PT, do PCdoB ou do PSOL. Agora o que puder fugir, logicamente pode ter um voto só, mas nós estamos optando por essa pessoa”, declarou Bolsonaro, sinalizando a intenção de privilegiar candidatos alinhados a ele para ocupar as reitorias, independentemente das escolhas expressas pelas comunidades acadêmicas (professores, funcionários e alunos).

Embora Bolsonaro critique o aparelhamento das instituições por partidos de esquerda ou centro-esquerda, em governos anteriores os reitores empossados eram eleitos pelas próprias comunidades acadêmicas – e os presidentes apenas chancelavam o resultado dessas consultas internas, nomeando os primeiros colocados na lista. Essa tradição se repetiu por 15 anos – e foi rompida justamente pelo novo governo.

Até agora, Bolsonaro já fugiu à regra em metade das nomeações de reitores de universidades federais previstas para este ano – e em um Centro Federal de Educação Tecnológica, o Cefet, no Rio de Janeiro. Das 12 nomeações, ele escolheu reitores com poucos votos ou até mesmo fora da lista tríplice em seis delas. São as seguintes:

Leia mais no Intercept

Da trupe do Sargento Pimenta, poucos se salvam. Os filhos são estúpidos, os ministros são estúpidos, os apoiadores no Congresso – cada vez menos e mais comprados – são estúpidos.

Mas esse sinistro da Educação, cujas origens pouco se sabe, semi-analfabeto e fundamentalista, certamente é o pior deles.

Ignorante, orgulhoso da sua ignorância, canastrão e doutrinado por aquele velho estúpido que está auto-exilado nos Estados Unidos. A educação brasileira vai levar um longo tempo para se recuperar desse desastre orquestrado.

One Comment leave one →
  1. Zé da Luz permalink
    04/10/2019 8:30

    Elegemos o Bolsonaro exatamente pra isso! Acabar com o aparelhamento vermelho das Universidades.
    Basta ver a qualidade dos recém formados. Não sabem fazer uma regra de três simples.
    Não todos, alguns se salvam.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: