Pular para o conteúdo

Só 8% dos brasileiros entendem o que está escrito e se expressam corretamente

18/07/2018

Da Gazeta do Povo

Apenas 8% da população brasileira entre 15 e 64 anos é plenamente capaz de entender e se expressar corretamente. Já o restante apresenta dificuldades, em graus diferentes, de entender e elaborar diversos tipos de texto, interpretar tabelas e gráficos e resolver problemas lógicos e matemáticos. 

Os dados são do Indicador de Alfabetismo Funcional (Inaf), estudo elaborado pelo Instituto Paulo Montenegro (PIM), a ONG Ação Educativa e o Ibope Inteligência. Segundo o indicador, existe uma escala de classificação de alfabetismo: analfabeto (4%), rudimentar (23%), elementar (42%), intermediário (23%) e proficiente (8%); quem está inserido nas duas primeiras categorias é considerado analfabeto funcional. 

Consequências

Apesar de reconhecer o baixo nível da educação brasileira, o professor livre-docente da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP), Claudemir Belintane, critica o Inaf: para ele, níveis de leitura variam de acordo com fatores como especialidades, ideologia e religião. 

 “O uso do alfabeto, da escrita, das habilidades de leitura, caso se leve em conta a questão da funcionalidade, é algo muito difícil de ser avaliado, pois dependeria dos contextos específicos”, diz em entrevista à Gazeta do Povo. 

O professor ressalta ainda que nas universidades, principalmente nas privadas, há muitos alunos com baixíssimos níveis de leitura e interpretação. Segundo ele, o problema está relacionado à falta de políticas educacionais. 

“Combater o analfabetismo funcional só é possível se os governos fizerem disso uma causa verdadeira e conseguirem fomentar uma política educacional de longo prazo. Ideias existem. O que não existe é vontade política”, afirma. 

Desigualdade social e políticas públicas 

E como esses indivíduos chegam ao ensino superior? Para Belintane, as próprias universidades não se preocupam com o nível de leitura e interpretação dos estudantes. 

“A preocupação das faculdades privadas é o lucro. E a do governo é numérica. Hoje temos, sobretudo nas universidades privadas, alunos com baixíssimo nível de leitura sendo formados para serem professores. Trata-se da retroalimentação de um círculo vicioso”, critica. 

A vice-presidente da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados, deputada Alice Portugal (PCdoB-BA), concorda que o alto índice de analfabetismo funcional é provocado pela redução das políticas públicas; para ela o número de analfabetos funcionais tende a aumentar nos próximos anos. 

“Só se acaba com o analfabetismo com investimentos em educação, em escola de tempo integral e respeitando políticas públicas enunciadas no Plano Nacional de Educação (PNE). O PNE, por exemplo, firmava que em 10 anos haveria um aumento de 50% no número de escolas em tempo integral, mas isso está imobilizado”, explica. 

A deputada acredita que é preciso dar mais valor às creches e à alfabetização de jovens e adultos. 

“Creches são essenciais, mas as de verdade, com professor, com ensino cognitivo em harmonia com o emocional. É preciso também alfabetizar os adultos. Estudos comprovam que quando os pais ou responsáveis por uma criança são analfabetos, as chances dela também ser analfabeta são muito grandes”, analisa. 

O que diz o MEC 

O Ministério da Educação afirma ter programas próprios para a alfabetização, porém a adesão depende da vontade política dos estados e municípios. 

“O MEC tem programas voltados especificamente para a alfabetização, como o Mais Alfabetização, destinado aos anos iniciais do ensino fundamental, bem como para todas as etapas e modalidades da educação básica, como a Educação de Jovens e Adultos, a EJA”, justifica a pasta, em nota enviada à Gazeta do Povo.

“O papel do MEC é de caráter suplementar no apoio aos sistemas de ensino municipais, estaduais e do Distrito Federal”, conclui.

Longo caminho

O Plano Nacional de Educação foi criado em 2014 e conta com diversas metas que deveriam ser cumpridas até 2024. Entre elas, está a elevação do nível de alfabetização da população e a melhoria da qualidade da educação básica e superior.

Um levantamento realizado pelo Observatório do PNE (OPNE) constatou que apenas 20% das metas previstas para serem finalizadas até 2017 foram cumpridas; o Inaf classifica como analfabetas as pessoas que não sabem ler palavras e frases, mesmo que consigam decifrar tarefas mais simples, como preços e números de telefones. 

Já os considerados rudimentares são aqueles que conseguem realizar operações básicas e ler textos curtos e familiares, como bilhetes e anúncios. Os elementares podem ser considerados alfabetizados funcionalmente, pois conseguem compreender e se expressar por meio de textos, gráficos, operações e tabelas de média complexidade. 

A respeito dos intermediários, o Inaf afirma que são aquelas pessoas com habilidades mais robustas de interpretação de textos complexos, como a diferenciação de figuras de linguagem e cálculos com proporções e porcentagem; o problema é que elas não conseguem interpretar a opinião de autores de textos. 

Os proficientes possuem total capacidade de interpretação de texto e de fórmulas matemáticas. O problema principal trazido pelo Inaf é que o aluno, quando termina o Ensino Médio, precisa ser proficiente. Mas apenas 8% dos brasileiros conseguem chegar a esse nível.

A partir dessa informação, se começa a entender o aprofundamento da crise do jornalismo brasileiro, cada vez mais com nível menor, dedicado a fofocas de TV e notícias de crimes comuns. Quando não são notícias falsas, propagadas nas mídias sociais com intensidade. 

Isso explicaria também a profunda crise pela qual passam a política e as instituições brasileiras. Enganadores de todos os calibres proliferam na mídia, prosperando entre os analfabetos funcionais como uma praga avassaladora.

 

No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: