Pular para o conteúdo

O Papa condena o processo em que se deu o golpe.

18/05/2018

Jorge Mario Bergoglio, o papa Francisco, que viveu a dantesca ditadura argentina, assim se manifestou, em Roma, durante uma missa, nesta quinta-feira:

“Quando se quer fazer um golpe de Estado, criam-se condições obscuras para condenar uma pessoa: a mídia começa a falar mal, calunia, mancha, depois chega a justiça, as condena e, no final, se faz um golpe de Estado”.

Tomar o poder do governo progressista de Lula e Dilma foi como tomar o doce de uma criança. A cobiça do rentismo, das forças “ocultas” de Washington, inebriadas com os recursos naturais do País, principalmente o petróleo; o entreguismo daqueles que se dizem nacionalistas; a ânsia daqueles que pediam “empréstimos” aos empresários para financiar atividades escusas, que acumulavam dinheiro vivo em bunkers e nas contas do Panamá, da Suíça e de outros paraísos fiscais era abissal.

Nem Lula, nem Dilma puderam avaliar a formação do golpe. E os sonegadores da grande mídia, onde estavam: promovendo passeatas e panelaços de palhaços vestidos de verde amarelo? Ou adorando ídolos de pés de barro, fenômenos de um radicalismo sem fundamento?

Bergoglio, 81 anos, conhece como são feitas as conspirações. Viveu isso na carne. E está indignado como qualquer ser humano, como qualquer brasileiro que saiba balbuciar uma simples frase que expresse o sentimento humanista de integrar vastas legiões de miseráveis ao processo produtivo.

Hoje, mais de 27 milhões de desgarrados vagueiam pelas cidades à procura de uma ocupação. E outro tanto perdeu a frágil esmola que não permitia que seus filhos passassem fome.

A história condenará os golpistas, da política, do judiciário e das forças armadas. Uma força maior, que pobres mortais que somos, chamamos de Deus, já os condenou à infâmia pelo resto de sua vexaminosa existência.

3 Comentários leave one →
  1. Cerilo permalink
    18/05/2018 9:41

    desculpa Sr.Papa, se só tem conhecimento através de pessoas ligadas ao PT é uma coisa, se não fique calado.

  2. Lobo permalink
    18/05/2018 18:18

    É difícil para algumas pessoas perceberem que mentiras contadas e recontadas localmente, no caso aqui no Brasil, não são suficiente para transformar a realidade, ao ponto de pessoas que não estão submetidas a esse processo de lavagem cerebral, patrocinado por movimentos sociais suspeitos, associações empresarias abnegadas e desinteressadas, políticos de uma honestidade ímpar e uma mídia que se vende de livre, mas que na verdade, em sua esmagadora maioria pertence a uns 5 ou 6 grupos familiares.
    Cuidado Papa, os fanáticos não abandonarão o discurso esfarrapado. É o único que têm e sem ele se sentem perdidos.
    PS – Há alguns anos em Honduras alimentaram com apoio declarado dos EUA um golpe para afastar o presidente eleito, o atual procura se eternizar no poder, mas nem um pio dos democratas de outrora. No Brasil, o discurso de luta contra a corrupção serviu ao mesmo propósito, ainda que grandes corruptos estão por aí alegremente mandando na p… toda. Até na Arábia Saudita o argumento de combate a corrupção serviu para centralização do poder e eliminação de adversários, fórmula aplicada este més na China.

  3. jose de oliveira permalink
    18/05/2018 21:56

    Não sabia que em pleno interior da Bahia ainda exista coxinhas se alimentando não sei de que, correndo atras da poeira da historia porque ouviu em tempos idos um gama de estelionatários dizendo que do centro de um enorme Lajedão de perdas brotaria mel. Pai perdoai esses pobres, porque eles não sabem o que dizem.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: