Skip to content

Deputados comprados vieram com defeito

04/08/2017

Por Marina Amaral, codiretora da Agência Pública

“Deputados comprados vieram com defeito”, brincava a edição 39 do tablóide humorístico Planeta Diário em 1988. Empossado em lugar do falecido Tancredo Neves, de quem era vice, o então presidente José Sarney era acusado de liberar verbas públicas a deputados que votariam pela extensão de seu mandato presidencial de quatro para cinco anos.

A CPI da Corrupção chegou a recomendar o impeachment de Sarney, arquivado pouco depois pelo presidente da Câmara. Os cinco anos de mandato foram aprovados e Sarney, o primeiro presidente da redemocratização – que por ironia era da base de apoio da ditadura –, ficou até 1990, quando Collor assumiu o poder.

Como se vê, nem o presidente Michel Temer nem a Câmara do Deputados inovaram ou evoluíram nesses 42 anos de redemocratização. De acordo com o Valor Econômico, somadas os mais de 3 bilhões de reais de emendas à renúncia fiscal de 7,6 bilhões em favor dos produtores rurais – donos de uma bancada de 207 deputados – e do aumento dos royalties da mineração (em favor das bancadas de Minas e do Pará) – “o pacote de bondades” do governo para livrar Temer chegou a 13,2 bilhões de reais. Ah, a crise!

Talvez seja por isso que os deputados viram tantas melhorias na economia – usada como desculpa por muitos para livrar de investigação o presidente acusado de corrupção. Não é o que dizem os números (veja o Truco) nem o que sentem os brasileiros, 92% contrários ao governo Temer segundo as pesquisas.

O que realmente parece ter mudado dos tempos da manchete do Planeta Diário para cá é o grau de controle das empresas sobre o Congresso. Um levantamento da Pública realizado em 2016 entre as bancadas da Câmara mostrou que além dos beneficiados ruralistas mais de 200 deputados compõem as bancadas empresarial e a das empreiteiras e construtoras (muitos são se ambas), o que se revelaria nas delações da Lava Jato. O próprio presidente da Câmara, Rodrigo Maia, foi acusado por cinco delatores diferentes de vender medidas provisórias.

Ah, e por falar em Planeta Diário, uma de suas campanhas mais bem sucedidas foi a que quase elegeu o Macaco Tião à Prefeitura do Rio. Seu adversário era César Maia, o pai do atual presidente da Câmara, e os cariocas já pressentiam o caos lucrativo que se abateria sobre a cidade.

No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: