Skip to content

Mas não se matam cavalos?

10/04/2017

Algum leitor ou leitora pode me esclarecer porque os termos misoginia e misantropia tomaram conta das redes nas últimas 24 horas, depois de uma agressão em programa popular da TV Globo, mesmo que a grande maioria nem saiba o que isso significa?

O referido programa não é produzido há mais de década justamente para mostrar baixarias de toda ordem, conquistando milhões de telespectadores e faturando em cima do valor gasto com telefonemas dos desavisados que resolvem votar em seu idiota preferido?

Cada vez que vejo notícias sobre esse fétido programa  lembro do livro “Mas não se matam cavalos”, de Horace McCoy, em que ele descreve as longas maratonas de dança, na época da depressão norte-americana.  Os dançarinos  levavam seu cansaço às raias da loucura para faturar alguns trocados ao final de dias em que apresentavam bailando num salão público. Ao ponto de um deles, torturado por câimbras e dores atrozes, perguntar se ele não teria direito à morte, em sacrifício, como se fazem com os cavalos feridos ou esfalfados.

Jane Fonda e Red Buttons protagonistas do filme.

A depressão econômica da década de 1930 nos Estados Unidos fez as pessoas tomarem medidas drásticas para sobreviver. Popularizaram-se no país as maratonas de dança – competições públicas em que casais dançavam por dias a fio, desafiando os limites dos seus corpos diante de uma plateia animada, na tentativa de ser a última dupla remanescente. Em um período de fome e desespero, parecia uma maneira simples de ganhar um dinheirinho. Mas tais concursos escondiam uma agressividade e uma violência social usualmente não associadas aos salões de dança.

O filme com o título original: They Shoot Horses Don’t They

Em Mas não se matam cavalos? (1935), Horace McCoy (1897-1955) apresenta Robert Syverten e Gloria Beatty, duas pessoas sem perspectiva alguma, que decidem participar de uma maratona de dança achando que, assim, granjearão alguma oportunidade de trabalho em Hollywood.

O que os participantes fronteiriços – no sentido psiquiátrico – do tal BBB almejam é isso. Alguns dias de fama e uns trocos ao final para uma nova versão de suas vidas inúteis.

Big Brother – grande irmão – é uma expressão do escritor inglês George Orwell, em sua obra prima “1984”, onde numa  ficção construiu um grande libelo contra o stalinismo.

No Brasil, à deriva dos princípios éticos, morais e institucionais, os dois livros poderiam ser uma boa leitura. Menos para os participantes do BBB, que parecem não ter capacidade de desenvolver um raciocínio completo nem a partir de um gibi do tipo Pato Donald. O que aliás parece ser a regra para a grande maioria dos brasileiros.

No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: