Skip to content

Chega de lorota.

07/04/2017

Por Marina Amaral, codiretora da Agência Pública

O acontecimento mais aguardado da semana – o julgamento da chapa Dilma-Temer no TSE – acabou sendo adiado por tempo indeterminado. O dólar caiu, já que evitou (ou adiou) o “pior”, na visão dos mercados. O cenário “favorável” no TSE animou os advogados do presidente a investir na anulação das provas, segundo reportagem na Folha, excluindo as que viriam da delação da Odebrecht.

A ação contra a chapa foi movida pelo PSDB logo após a derrota nas urnas de Aécio Neves.

No fim de semana, a Veja divulgou um “vazamento” de um delator da Odebrecht acusando Aécio de receber propina no exterior para favorecer a empreiteira.

“Querida, a mim ninguém nunca acusou de ter conta no exterior”, ironizou a ex-presidente Dilma em entrevista a Mônica Bergamo publicada no dia do julgamento do TSE.

Resta saber o que reserva à ex-presidente a delação do marqueteiro da campanha, João Santana, que o TSE decidiu incluir no processo em julgamento.
Enquanto isso, as peças se movimentam para 2018. O candidato mais estridente, o deputado Jair Bolsonaro, deu um show de racismo, intolerância e machismo em uma polêmica palestra no clube Hebraica, no Rio de Janeiro. É bom lembrar que o deputado é réu por incitação ao estupro no STF.

Visto por muitos como a “solução” para a corrupção, Bolsonaro também mente quando busca se afastar das denúncias que envolveram seu ex-partido, o PP, como constatou o Truco. Isso não o impede de crescer nas pesquisas em um país onde um crime bárbaro não tira os fãs do goleiro Bruno e a imprensa evita chamar o assassinato de Eliza Samudio pelo nome certo: feminicídio.

Um crime que mata uma mulher a cada 90 minutos no Brasil, como destaca a reportagem de Andrea Dip que levantou a trajetória de violência que envolve Eliza antes mesmo de seu nascimento. Sem freio da lei ou da sociedade.

Como revela o episódio de José Mayer, que descreveu como “brincadeiras de cunho machista” o assédio impiedoso feito a uma colega, quase uma subordinada, de rede Globo, não se pode naturalizar a violência escolhendo as palavras para descrevê-la.
Racismo e feminicídio são crimes que vão além de seus autores quando endossados pela sociedade. Vamos chamá-los pelos nomes certos, chega de lorota.

No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: