Skip to content

Médicos do DF assaltavam Estado em R$15 mil por mês de horas extras

16/03/2017

Hígia (em grego antigo: Ὑγίεια), na mitologia grega, era a filha de Esculápio. Era a deusa da saúde, limpeza e sanidade (e posteriormente: a Lua), exercia uma importante parte no culto do pai. A imagem acima refere-se a versão romana da deusa.

Operação deflagrada pelo Ministério Público do Distrito Federal e pela Polícia Civil nesta quarta (15) revelou que médicos do Hospital de Base chegaram a receber até R$ 15 mil, por mês, em horas extras indevidas.

Batizada de Hígia, a operação apura fraudes na gestão de UTI adulta da unidade. Segundo o inquérito, esses profissionais contabilizavam, mensalmente, cerca de 135 horas a mais de serviço – carga acima da autorizada pela Secretaria de Saúde.

“Conseguimos registros de médicos que fizeram plantões de 36 horas durante quatro fins de semana seguidos, fora a escala normal. Nessas condições, é humanamente impossível que esses servidores pudessem prestar atendimento digno aos pacientes”, declarou o promotor de Justiça de Defesa da Saúde Luis Henrique Ishihara, na tarde desta quarta.

Investigações apontam que médicos pagavam outros servidores para cumprirem seus plantões, e conseguiam abonos mesmo com o registro de frequência “negativo”. Médicos que atuavam no Hospital de Base e davam aula na Faculdade de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde (Fepecs) tinham folhas de ponto com a mesma carga horária nos dois órgãos.

Todo esse esquema ocorria, segundo o Ministério Público, sob a coordenação da ex-chefe da UTI adulto do Hospital de Base, Vânia Maria de Oliveira. De acordo com o promotor, durante o período da investigação, de 2013 a 2016, ela era médica concursada da Secretaria de Saúde, respondia por um cargo comissionado, cumpria cargo temporário como médica intensivista da UTI e trabalhava em duas clínicas particulares. 

Chamada pelo MP a dar esclarecimentos, Vânia optou pelo silêncio. Ao todo, a Justiça expediu 16 mandados de condução coercitiva (quando o alvo é obrigado a depor) para 13 médicos e 3 servidores da UTI. Quatro mandados de busca e apreensão foram cumpridos no Hospital de Base, na Fepecs, na casa da médica citada e nos sistemas de informática da Secretaria de Saúde.

Investigação
Conforme indicou o promotor, “os servidores tinham tanta certeza da impunidade que se davam ao luxo de não checar as escalas”. A intenção do MP, agora, é investigar as condutas dos médicos em 2017. A Polícia Civil apreendeu documentos, atestados, folhas de ponto e escalas durante ação no Hospital de Base na manhã desta quarta. Conteúdo do G1.

No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: