Skip to content

Pesquisa identifica possíveis entradas de nova praga no Brasil

18/10/2016
Fotos: Johnnnie Van Den Berg

Fotos: Johnnnie Van Den Berg. Conteúdo da EMBRAPA.

Áreas dos estados de Roraima, Rio Grande do Norte, Alagoas, Sergipe, Bahia, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro, Espirito Santo, Minas Gerais, Paraná e Rio Grande do Sul foram priorizadas em estudo da Embrapa como as de maior probabilidade de a lagarta Chilo partellus entrar e se estabelecer no País.

O inseto foi catalogado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) como praga quarentenária A1, categoria que engloba ameaças de importância econômica potencial para cultivos nacionais e que ainda não estão presentes no território brasileiro.

lagarta-2

O estudo “Identificação de regiões brasileiras suscetíveis ao ingresso e estabelecimento de Chilo partellus” foi realizado por pesquisadores da Embrapa Gestão Territorial e do laboratório de quarentena “Costa Lima” (LQC) da Embrapa Meio Ambiente e cruzou informações como rotas de transporte, possíveis pontos de entrada, culturas hospedeiras da praga, portos, fronteiras, aeroportos e condições climáticas propícias para que o inseto entre e se estabeleça no País. O resultado pode subsidiar o serviço de Vigilância do Mapa, responsável por fiscalizar as entradas de novas pragas quarentenárias no País.

A lagarta é originária do continente asiático, onde está presente em vários países, e já se encontra em áreas do Oriente Médio e da costa Leste da África, com uma ocorrência na Austrália. Embora a fase adulta do inseto seja uma mariposa, os danos da praga são reportados principalmente na sua fase jovem, como lagarta, em cultivos de milho, sorgo, arroz, trigo, cana-de-açúcar, milheto e gramíneas silvestres.

“Os ataques mais severos ocorrem em cultivos de milho e sorgo, variando de acordo com o local”, conta a pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Maria Conceição Pessoa, uma das autoras do trabalho. Como exemplo do potencial da praga, na África do Sul há ocorrências de danos nessas duas culturas que provocaram perdas de mais da metade da produção. Em Moçambique, infestações em milho tardio atingiriam 87% das lavouras e geraram estragos em 70% dos grãos.

Entre as regiões mais vulneráveis para a entrada da praga está uma extensa área que vai desde a fronteira do Brasil com o Paraguai até a região de Sorocaba no meio do Estado de São Paulo. “Essa área é importante, pois concentra lavouras de cana-de-açúcar, cultura atacada pela praga”, explica Rafael Mingoti, analista da Embrapa Gestão Territorial que participou do estudo. Ele explica que as regiões mais propícias para a ocorrência e proliferação do inseto apresentam clima favorável, presença de culturas-alvo da praga, proximidade de fronteiras ou pontos de passagem, como vias e estradas, ou em áreas próximas a portos ou aeroportos. “A região reúne essas condições, pois além do clima propício para a praga e a presença das culturas, há o porto de Santos em São Paulo, aeroportos e a oeste há uma grande fronteira com o Paraguai”, conta o especialista.

De acordo com os resultados, outra área que merece atenção é o sul do Estado do Rio Grande do Sul. Embora a região possua pastagens e uma variedade de plantações, a principal preocupação concentrou-se nas lavouras de arroz, característica que pode agravar o quadro, pois a área engloba uma enorme faixa de fronteira seca com o Uruguai. Na região Nordeste há uma estreita faixa litorânea entre Sergipe e Rio Grande do Norte que reúne lavouras e clima propícios para a praga. A área ainda congrega grandes portos e aeroportos internacionais que são pontos de atenção.

A lagarta também poderia se estabelecer no Norte do País, de acordo com os dados observados. Ela encontraria condições ideais para se proliferar em áreas ao Norte e Leste de Roraima, regiões fronteiriças com Venezuela e Guiana, respectivamente.

O estudo também considerou as prováveis vias de ingresso terrestres e marítimas, além de rotas com acesso às áreas de países já infestados pelo inseto. Ainda contemplou a proximidade a diferentes tipos de fronteiras (urbanas, rurais, florestas) e o potencial de adaptação e estabelecimento mundial do inseto, prospectado por meio de informações disponibilizadas pelo simulador Climex, software que vem sendo utilizado em vários países para estudos do potencial de estabelecimento de pragas exóticas.

No cruzamento das diferentes informações, foram utilizadas ferramentas de Sistema de Informação Geográfica (SIG). Desse modo, os trabalhos identificaram  municípios e microrregiões mais propícios para a entrada e o estabelecimento de C. partellus, indicando áreas para a realização de monitoramento local. Além disso, sinalizaram a capacidade de defesa agropecuária brasileira já instalada em áreas de potencial entrada do inseto.

Parceria com a vigilância
Pesquisas como essa subsidiam ações da Secretaria de Defesa Agropecuária (SDA) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Em parceria com a Embrapa, o Ministério pretende priorizar até o fim deste ano as 20 pragas quarentenárias ausentes no País com maior potencial de impacto para o setor produtivo. “Para cada uma delas, pretendemos coordenar a elaboração e execução de planos de contingência visando a ações de fiscalização nos pontos de entrada do País, levantamentos fitossanitários, além de procedimentos de controle e erradicação, caso a praga entre no Brasil”, informa o coordenador geral de Proteção de Plantas do Departamento de Segurança Vegetal da SDA/Mapa, Paulo Parizzi. Para ele, a parceria com a pesquisa é fundamental nas ações de fiscalização e controle. “Informações como os pontos vulneráveis de entrada de pragas e diagnósticos fitossanitários de pragas ausentes subsidiam as ações dos planos de contingência de cada uma das ameaças priorizadas”, afirma.

Os dados são utilizados em capacitações dos auditores federais agropecuários responsáveis pela vigilância das fronteiras, portos e aeroportos. O estabelecimento de métodos diagnósticos fitossanitários específicos facilitam a identificação rápida da praga ao deixar os laboratórios credenciados no País aptos a reconhecer espécies ainda não encontradas por aqui. “O objetivo é antever essas pragas e deixar o País preparado para barrá-las ou controlá-las com rapidez e eficácia, caso elas se estabeleçam. Nesse sentido, o trabalho conjunto entre o Mapa e Embrapa é fundamental”, conta Parizzi.

Os resultados também subsidiaram outros trabalhos, em continuidade à parceria da Embrapa Meio Ambiente e Embrapa Gestão Territorial, objetivando estimar o tempo de desenvolvimento de C. partellus e de potenciais bioagentes de controle nas condições climáticas das microrregiões municipais priorizadas por estado.

A pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Jeanne Marinho Prado explica que essas informações são importantes para a defesa agropecuária nacional. “O ingresso da praga, sem o conhecimento prévio de sua biologia, comportamento ou de alternativas para a correta detecção, contenção e controle inicial, poderia causar danos significativos, inclusive pela demora na sua identificação de presença nos cultivos, podendo causar sérios problemas locais de ordem econômica”, declara.

A pesquisadora Maria Conceição Pessoa acrescenta que prospectar a adaptabilidade dos potenciais bioagentes exóticos de controle biológico de C. partellus nas condições climáticas das áreas priorizadas é fundamental para subsidiar as estratégias de seleção de alternativas mais viáveis para o controle biológico da praga.

No comments yet

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: