Skip to content

Os riscos da obsessão de Temer pela reforma da Previdência

15/08/2016

PaffaroMurilo Aith*

Uma das principais bandeiras do Presidente interino, Michel Temer, a reforma da Previdência pode sair a fórceps. Isso porque nos últimos dias foi noticiado que a equipe do Governo estuda, como saída alternativa, alterar, por meio de um despacho normativo federal, a interpretação das regras da aposentadoria para os segurados do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Esse caminho seria escolhido caso o Congresso Nacional demore ou não aprove as mudanças propostas.

Ou seja, a reforma das regras atuais da Previdência virou uma obsessão, uma meta, um “surto de responsabilidade”. E, agora, se confirmada essa posição do governo uma espécie de medida ditatorial pode ser utilizada para mudar as regras para milhões de segurados do INSS no meio do caminho. Um verdadeiro abuso do poder.

Conforme noticiado, o Presidente considera possível fazer a reforma da previdência a jato, através de um despacho normativo do governo federal, explicando que a Constituição Federal é clara ao estabelecer que os anos de contribuição e a idade mínima são ambas condições necessárias e não excludentes para se aposentar pelo INSS. Esse despacho seria alvo de impugnação no Supremo Tribunal Federal, que daria a palavra final.

Trata-se de uma ação de extrema falta de sensibilidade com os trabalhadores brasileiros. As propostas do governo já não visam qualquer Justiça social, pois aumentar a idade mínima da aposentadoria para 63 ou 65 anos não condiz com a realidade do nosso mercado de trabalho. Até porque depois dos 50 anos, o trabalhador brasileiro dificilmente consegue uma colocação no mercado formal. A imensa maioria é obrigada a realizar atividades informais para sobreviver. Além disso, os trabalhadores, sejam eles rurais ou urbanos, começam a trabalhar e contribuir com a Previdência Social muito cedo, alguns desde os 14 anos.

A reforma da Previdência, da maneira como está sendo desenhada, já é extremamente danosa aos trabalhadores. As mudanças mais drásticas valerão para quem tiver até 50 anos, tanto na iniciativa privada como no setor público. Acima desta faixa etária haverá um “pedágio” para quem quiser se aposentar, a chamada regra de transição, prevendo um período adicional de trabalho de 40% a 50% do tempo que falta para que se tenha direito ao benefício. Ou seja, de qualquer maneira, o trabalhador terá que trabalhar e contribuir mais.

E é exatamente por este cenário preocupante que o governo sabe que terá muitas dificuldades políticas para aprovar as medidas técnicas necessárias. Entretanto, o governo não pode impor essas alterações sem um amplo e aberto debate sobre as mudanças com a sociedade.

E, caso abra o debate,  Temer e sua equipe deverão esclarecer efetivamente quais os reais valores gastos pela Seguridade Social e também o que ela arrecada de tributos para o seu custeio. Até porque o déficit da Previdência, constante anunciado, não é verdadeiro.

Portanto, é importante ressaltar que não há como fazer uma reforma previdenciária coerente se não for estabelecido um amplo debate com a sociedade. A proposta vem sendo debatida internamente pelo governo e deve ser, necessariamente, estendida todos os atores sociais, como os aposentados, a Defensoria Pública, a Ordem dos Advogados do Brasil, associações de classes, acadêmicos, Ministério Público, centrais sindicais, entre outros, para chegar numa proposta mais justa. Senão, corremos o risco de um enorme retrocesso social capitaneado por uma afronta aos direitos já conquistados pelos aposentados.

*Murilo Aith é advogado de Direito Previdenciário e sócio do escritório Aith, Badari e Luchin Sociedade de Advogados

3 Comentários leave one →
  1. Lobo permalink
    15/08/2016 17:49

    O que acho engraçado é que basta o governo falar em punir algumas empresas que prestam serviços porcos, ou praticam preços exorbitantes para a imprensa em geral, políticos e empresários gritarem aos quatro cantos que está se rasgando contratos assinados, agora quando um trabalhador que vem pagando sua previdência há anos, alguns há mais de 20 anos é ameaçado de ter as regras alteradas e ter que trabalhar mais anos e ter descontos previdenciários maiores não vejo a imprensa indignada e não vejo empresários protestando. Por quê? Contratos são contratos e todos devem ser respeitados, ou não?

    Ninguém abre a boca para dizer que ai também existe um contrato trabalhador-governo e que também está sendo rasgado. Ninguém abre a boca para dizer que a sonegação no INSS não é praticada pelos trabalhadores. Ninguém abre a boca para dizer que os inúmeros benefícios fiscais sobram para a previdência social, com o governo fazendo muitas vezes média com chapéu alheio e principalmente, ninguém, ninguém mesmo, fala que aposentadoria rural não tem natureza previdenciária, mas sim assistêncial e portanto é má-fé jogar na mesma conta das despesas com aposentadorias. Acreditem, não são a mesma coisa, é só pesquisarem um pouquinho e confirmarão o que disse.

  2. jose de oliveira permalink
    15/08/2016 17:51

    Tudo indica que o impeachment contra Dilma passara no Senado, ai o “Drácula”, Temer, vai começar a chupar o sangue do trabalhador brasileiro, para cobrir o rombo que eles mesmos causaram, até porque, desde o ano de 1500 esta terra é governada por uma meia duzia de ladroes que se servem das riquezas da terra para benefícios deles próprios,nós temos a função escravocrata apenas de pagar impostos, benefícios mesmo never. A começar pela educação pública, uma das piores do mundo, basta ver o resultado das medalhas nas olimpíadas. A escola publica no brasil também é escravocrata. Discussão à parte, certo é que em breve a maioria da classe assalariada e correlata, começará sentir enorme falta do governo pro socialista que esteve no poder desde o ano de 2.003. Aguarde e confie

  3. jose de oliveira permalink
    15/08/2016 18:07

    O lobo acima não se sabe se é domesticado ou mau, mas de certa forma ele abordou a questão crucial em relação à previdência. A previdência no Brasil segundo a constituição, tem como principio básico, a contribuição patrão e empregado. A aposentadoria para quem trabalha no campo, boia fria, pequeno produtor e arrendatário é um afronta à constituição, porque não precisam provar contribuição ou seja, são isentos de ônus. Soma-se a isso o fato de aposentam-se mais cedo do que o pobre do operário que presta serviços urbanos. Alem do mais, imensidão de pessoas que nunca foram trabalhadores, nem urbano nem rural, estão aposentando na condição de trabalhador urbano. Perante a Justiça, cabe ao INSS provar que a pessoa não é trabalhador rural, mas como o INSS não consegue em razão da ausência de banco de dados satisfatórios, todos acabam sendo beneficiados pela desídia administrativa da previdência.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: