Pular para o conteúdo

Descoberta, na Argentina, a soja resistente à seca

30/10/2015
Soja com alto estresse hídrico vai ser lembrança de um passado recente

Soja com alto estresse hídrico vai ser lembrança de um passado recente

Por Juliana Foerster para a revista Agro&Negócios

A Argentina aprovou a primeira soja transgênica com resistência à seca do mundo. O anúncio foi feito nesta semana pelo governo no país, para quem a cultivar coloca o país em um “seleto” grupo de países que desenvolvem localmente o grão geneticamente modificado, entre eles o Brasil.

“Não são eventos apenas tecnológicos, mas também econômicos e sociais”, disse a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, com um histórico de conflitos com o setor agropecuário argentino. Segundo ela, esse tipo de produto é fundamental não apenas para a economia dos produtores rurais do país, mas também para as exportações.

De acordo com a agência oficial Telam, o desenvolvimento da nova variedade de soja foi feito por uma parceria público-privada entre a Universidade Nacional do Litoral, onde foi identificado o gene, e a empresa Inder, que incorporou a tecnologia à soja. A promessa da nova variedade é a manutenção dos níveis de produtividade em casos de carência de água.

Ainda conforme a agência, o ministro da Agricultura do país, Carlos Casamiquela, destacou a concentração na pesquisa de transgênicos na agricultura. Segundo ele, mais de 90% da soja, milho e algodão geneticamente modificados são fornecidos por apenas cinco empresas multinacionais. Para ele, é preciso ampliar e “democratizar” o acesso às tecnologias pelo produtor rural.

O governo do país vizinho anunciou também a aprovação de uma variedade transgênica de batata resistente ao vírus PVY. Ele é considerado o principal problema para a cultura, podendo causar perdas de até 80% nas lavouras.

Descoberta

No Brasil, o Conselho de Informações sobre Biotecnologia (CIB), entidade que divulga dados científicos sobre este assunto, comentou a descoberta dos argentinos. Em nota, a diretora executiva do CIB, Adriana Brondani, avalia que o anuncio do governo vizinho está alinhado com o desafio de alimentar uma população cada vez maior e de maneira sustentável.

“Uma soja tolerante à seca permite cultivar essa leguminosa em regiões com baixa disponibilidade de água, o que certamente contribui para diminuir a pressão da agricultura sobre áreas protegidas e para o aumento na produção de alimentos”, afirma Brondani.

A Embrapa desenvolve há mais de 7 anos uma variedade com as mesmas características da Argentina, apelidada de “Soja da Caatinga”. Não se conhece as causas da semente ainda não ter entrado em multiplicação comercial.

No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: