Pular para o conteúdo

Alagoas: promotor pega 76 anos de cadeia por abusar das filhas

04/11/2014

Os desembargadores do Tribunal de Justiça de Alagoas condenaram a 76 anos e cinco meses de prisão o promotor da Vara da Infância Carlos Fernando Barbosa de Araújo. Segundo denúncia oferecida pelo Ministério Público, ele abusava sexualmente de duas filhas e uma enteada, todas menores de idade, entre 1993 a 2003.

De acordo com os depoimentos, uma das filhas começou a ser abusada aos 12 anos, enquanto dormia, por todas as noites. Depois, os abusos passaram a acontecer durante os banhos. Fotografias da garota foram encontradas no computador do promotor.

“A vítima passou a perceber na enteada os mesmos comportamentos que ela tinha quando criança. Descobriu que o promotor molestava da menina desde os 7 anos e resolveu denunciar. No Ministério Público, acharam várias fotos das duas em trajes íntimos e nuas também. A filha passou anos sendo abusada porque ninguém jamais acreditaria que um bom profissional, um promotor técnico, faria isso. E seria difícil de provar os fatos se não tivéssemos encontrado as fotos”, descreveu o procurador Antiogenes Lira, no plenário do TJ.

Segundo avaliação psicológica, o promotor estava lúcido e a memória era conservada nos abusos. Ou seja, não tinha doença mental.

No caso da outra filha, a babá informou, em seu depoimento, que o promotor pedia que ela saísse de casa para comprar alguma coisa. Ao retornar, a garota estava chorando.

“A mãe descobriu que ele abusou das três crianças e com o mesmo modus operandi. É uma história de jovens que perderam a infância. O Ministério Público pede a condenação para que seja feita justiça e elas saibam que ainda existem juízes em Alagoas”, decreveu o procurador, durante o julgamento.

Segundo o advogado Welton Roberto, que fez a defesa do promotor, a primeira filha foi espontaneamente ao motel, por três vezes, com o pai. E era maior de idade.

“No depoimento, ela teria dito que, em 2004, apanhou do pai e, em 2009, perdeu um filho devido a isso. Mas ela não apresentava provas da agressão”, explicou o advogado. “Ela esteve em contato com diversos promotores e por que não falou a nenhum deles sobre o que aconteceu em casa? Por que ela não falou antes? Só decidiu denunciar depois, quando perdeu o emprego devido à Lei do Nepotismo, de 2006”, analisou.

O TJ recebeu, oficialmente, a denúncia do MP em 15 de fevereiro do ano passado. A decisão desta terça-feira pede a perda definitiva do cargo e a prisão imediata do promotor.

?????????????

mural do oeste

A2 escadas

coral natalino

Hotel Columbia 1 (1)

No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: