Pular para o conteúdo

Juíza eleitoral de Candeias processada por proteger fichas sujas

12/03/2013
Tonha Magalhães

Tonha Magalhães

Segundo a Lei da Ficha Limpa, que está em vigor desde 2010, políticos condenados por órgãos colegiados, como tribunais, ficam impedidos de disputar cargos eletivos. Mas, duas participantes da vida política de Candeias (BA) teriam recebido uma “forcinha” para driblar o que determina o dispositivo legal, elaborado com o intuito de coibir a eleição de candidatos “ficha suja”: nunca foram condenadas, porque os processos existentes contra elas sequer deixavam o gabinete da juíza eleitoral da Comarca de Candeias. Antônia Magalhães da Cruz (ex-prefeita, conhecida como Tonha Magalhães) e Maria Angélica Juvenal Maia, também ex-prefeita, que chegou a ter seu mandato cassado em 2012, teriam sido beneficiadas por Jaciara Borges Ramos, juíza eleitoral.
A acusação, feita pela Procuradoria Regional da República da 1ª Região (PRR1), órgão do Ministério Público Federal (MPF), tomou como base investigações realizadas pela Corregedoria Nacional de Justiça, em 2012. De acordo com o órgão investigador, Jaciara, além de ocultar processos, teria subtraído peças e adulterado a numeração dos mesmos. Em razão dessa conduta, 13 processos de improbidade administrativa, por exemplo, ficaram trancafiados dentro do armário, sem andamento.
Um dos motivos para as candidatas permanecerem imunes à Lei da Ficha Limpa também encontrou causa no fato de que não havia qualquer controle do cartório local sobre os processos, que também não estavam cadastrados no Sistema Informatizado do TJ-BA.
A juíza até chegou a se declarar suspeita em dois processos, mas os manteve em seu gabinete, parados durante todo o ano de 2012, com o intuito de beneficiar as rés, afirma o MPF. “A omissão e procrastinação praticada pela denunciada culminaram por macular a credibilidade do Poder Judiciário, frustrando, igualmente, a aplicação da Lei da Ficha Limpa”, explica o autor da denúncia, procurador regional da República José Cardoso Lopes.
O Ministério Público aguarda o recebimento da acusação pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), pelos crimes de sonegação de documentos e peculato. Existe, ainda,  processo disciplinar contra a Juíza no CNJ, que tramita em segredo de Justiça. Da Secom do MPF.

One Comment leave one →
  1. Geraldo de Araújo Andrade permalink
    12/03/2013 20:57

    Entre os Municípios de Mansidão e Santa Rita de Cássia, os quais pertencem a 97ª Zona Eleitoral, não foi diferente só que com a conivência do Ministério Público Eleitoral, que emitiu parecer pela candidatura de dois vereadores de Mansidão que não só tiverem suas contas rejeitadas pelo TCM como também não obtiveram a tutela antecipada junto à justiça, mesmo assim foram candidatos com a complacência da justiça eleitoral pois deferiu suas candidaturas e consequentemente foram eleitos. Em Santa Rita, também aconteceu o mesmo com um candidato a vereador. “Pense um absurdo, na Bahia existe precedente”. Otávio Mangabeira

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: