Pular para o conteúdo

Seca e indiferença, as duas tragédias da Bahia.

04/06/2012

Por Franciel Cruz, para o jornal Sul 21

Duas ásperas tragédias assombram a Bahia neste ano da graça de 2012: a seca e a indiferença. Enquanto a estiagem cresce de modo exponencial, as manifestações de solidariedade praticamente inexistem. O silêncio dos mais diversos setores sociais é inversamente proporcional aos assustadores dados relacionados ao flagelo. Para que se tenha uma ideia concreta, de janeiro até o final de maio, o número de municípios em situação de emergência saltou de 43 para 244, atingindo mais de dois milhões e 700 mil baianos que penam no castigado semiárido. No entanto, apesar de tantas e tamanhas dores, não existiu uma mísera campanha de mobilização para amenizar tais efeitos. Nem mesmo o apelo financeiro, fala-se em mais de R$ 100 milhões de prejuízo, tem conseguido atrair o interesse das almas benevolentes.

Os sociólogos de bodega podem argumentar, não sem razão, que tais movimentações nunca vão resolver os ancestrais problemas da seca. É fato. Eles podem dizer também, do alto de suas sábias negligências, que são necessárias políticas permanentes para a convivência com a estiagem. Perfeito. De barriga cheia, é fácil teorizar sobre a fome alheia.

O problema, amigos de infortúnios, é que, na falta das fundamentais e efetivas ações dos governos, que demoram mais de chegar do que a chuva, os atos solidários sempre desempenharam um papel fundamental para abrandar o perverso quadro. No entanto, neste ano da graça de 2012, nem isso. A Bahia, repito, tem sido vítima de duas ásperas tragédias: a seca e a indiferença.

Nunca antes na história deste país se viu tamanho descaso. As redes de TV, que normalmente estão a postos para faturar com as lágrimas alheias, não esboçaram, até este momento, qualquer campanha para sensibilizar a população. As igrejas, idem. Até mesmo as novidadeiras redes sociais, sempre tão afoitas para abraçar causas comoventes, permanecem num estranho mutismo diante de tão grave e urgente questão. Não houve sequer um mísero jogo beneficente.

O que explica tamanho desinteresse? Francamente, desconheço. Aliás, pior. Não compreendo. O alheamento é tanto e tamanho que atinge a todos nós. A seca não está em nossas pautas ou prioridades, nem mesmo como catarse. Nos bares, becos, vielas e ladeiras desta província lambuzada de dendê o tema não existe. É como se alguma mão divina (ou maligna) tivesse colocado a problemática no index prohibitorum, numa espécie de macabro pacto de alheamento.

Nas poucas vezes em que o debate tangenciou, digamos assim, a questão da redução de danos da seca foi para saber se as prefeituras deveriam ou não realizar carnaval fora de época ou se seria moralmente legítimo se contratar milionários cantores de axé, travestidos de forrozeiros para os festejos juninos.

Ah, sim. Não pensem que faço estes lamentos com o distanciamento brechtiano. Não e nécaras. Este omisso sertanejo que ora sopra estas denúncias também estava sedado pela apatia. Só me atentei para a falta de ações, inclusive minha, porque na manhã desta sexta-feira (1), vi a notícia de que a União dos Municípios da Bahia (UPB) lançou a campanha “Seca na Bahia. Solidariedade, já!”.

Ato contínuo, fui me inteirar da campanha da UPB e já vi pessoas dizendo que é exploração política, que o presidente da instituição é candidato em 2014 e que os atos são paliativos. OK. Vale apurar tudo. Contudo vale também, e muito, que gastemos nossas energias não apenas denunciando outrem, mas também batalhando por mais campanhas solidárias nestes tempos temerários.

Amém?

Franciel Cruz é jornalista.

3 Comentários leave one →
  1. Denilson Neves da Silva permalink
    05/06/2012 21:44

    Que bela matéria. Se se não sabaem vários decretos de estado de emergencia foram criados na Bahia afora, não para resolverem oproblema da seca e sim para dar legetimidades em poder coaptar votos com cestas básicas.

  2. Lafaiete de Souza Spínola permalink
    29/08/2021 10:57

    Para mudar isso, nossa prioridade: https://www.facebook.com/LafaieteDeSouzaSpinola/posts/536024086555004

Trackbacks

  1. Seca e indiferença, as duas tragédias da Bahia. | O DIA NEWS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: