Pular para o conteúdo

Câmara setorial do milho analisa entraves da cadeia produtiva.

31/05/2012

Fortalecer os pólos produtivos próximos às zonas de consumo, dotando-os de infraestrutura de armazenagem e logística, é a opção mais viável para a sustentabilidade econômica da cultura do milho no Brasil. Esta é a base da argumentação da Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba) e de produtores de outros estados representados na reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Milho e Sorgo do Ministério da Agricultura, que aconteceu durante toda a manhã de hoje no Auditório 1 da Bahia Farm Show, a maior feira de tecnologia e negócios agrícolas do Norte-Nordeste, que prossegue até sábado (02), em Luís Eduardo Magalhães, a 900km da capital Salvador.

A Reunião Ordinária foi comandada pelo presidente da Câmara e também da Sociedade Rural Brasileira (SRB), Cesário Ramalho. Esta é a segunda vez consecutiva que o encontro dos representantes de todos os elos da cadeia produtiva do grão acontece na Bahia Farm Show. Estiveram presentes, entre outros, o ex-ministro da Agricultura, Alysson Paolinelli e o ex-ministro dos Transportes, Odacir Klein.

Na oportunidade, o vice-presidente da Aiba, Sérgio Pitt, reforçou o pleito dos produtores do Oeste pela construção de uma estrutura de armazenagem na região. “A logística é muito difícil e cara no percurso até a estrutura da Conab em Salvador e a grande produção de grãos da Bahia se dá no Oeste, que colherá 7 milhões de toneladas nesta safra.  Se existe expansão a nível nacional prevista para o sistema de armazenagem da Conab, a prioridade deve ser aqui”, defendeu  Sérgio Pitt. Nesta safra, a área plantada com milho no Oeste da Bahia cresceu 60%, com produção de 2,3 milhões de toneladas.

“Não tenho dúvida de que o argumento da Aiba é válido. E a iniciativa privada está disposta a investir, assim como investiu em tecnologia, em logística. Porém, para isso é preciso políticas públicas”, disse Alysson Paulinelli.

Excedente

Até 2012, a quase totalidade desta produção ficava no Nordeste, onde abastece as granjas de aves e suínos, e também a indústria de produtos para o consumo humano. Este ano, pela primeira vez em sua história, o Oeste da Bahia começou a exportar o excedente da produção para o mercado externo, o que contribuiu para sustentação do preço da commodity.

De acordo com a Aiba, ao longo dos anos, as estratégias de comercialização e escoamento do Governo Federal priorizavam o milho do Centro Oeste para atender à demanda do Nordeste. Em diversos momentos, foi preciso a intervenção do Governo Federal com programas de subvenção para a comercialização e escoamento da safra do cerrado da Bahia. Os produtores queixavam-se de ver os caminhões de milho do Centro-Oeste passando pela porteira das fazendas rumo aos compradores do Nordeste.

“O Nordeste hoje já é autossuficiente, e tem excedente para exportar. O escoamento era feito em uma ordem que não era economicamente viável”, explica Pitt. A primeira exportação da região contabilizou 195 mil toneladas, que foram negociadas com as tradings com a intervenção inicial da Aiba. “A liquidação da exportação está garantindo um valor equivalente ao preço mínimo estipulado pelo Governo Federal”.

A queixa da necessidade por parte do Governo Federal de levar em consideração a menor distância entre a oferta e a demanda não se restringe aos produtores baianos. De acordo com Altaír Fianco, presidente da Aprosoja do Piauí, para transportar o milho de Sinop, no Mato Grosso, até Fortaleza, no Ceará, que é um  grande comprador, o milho tem de percorrer 4.000 km.

“Para transportar as 38 toneladas, equivalentes ao um caminhão bitren (633 sacas), consome-se 5,5 litros de óleo diesel por saca transportada. O cidadão pensa que está comendo um frango, quando na verdade está bebendo combustível. O Brasil é o maior exportador de frango do mundo. Para muitos mercados, uma informação como esta é motivo de restrição do consumo”, alertou o produtor piauiense.

Dados apresentados na reunião da Câmara Setorial na manhã de hoje na Bahia Farm Show apontam que o Brasil vai produzir nessa safra 66 milhões de toneladas de milho. O crescimento da produção brasileira foi em parte motivado pelas quebras que os EUA vêm registrado nas três últimas safras. Este ano, contudo, os americanos devem recuperar as 7 milhões de toneladas que perderam na safra passada, colhendo um total de 375 milhões de toneladas, recorde que recompõe os estoques americanos e os recolocam na exportação.

Tendência

Segundo o analista de mercado da Conab que explanou sobre o cenário global para o milho durante a reunião, Thomé Guth, o mundo está consumindo mais proteína animal, resultado da melhoria da renda da população. Países emergentes como China, Índia, e o próprio Brasil, demandam mais matérias-primas para ração. Prevê-se que a China vai chegar a consumir 15 milhões de toneladas de milho importado por ano, aproximando-se do Japão, que consome de 14 a 16 milhões. “Eles começam a olhar para o Brasil”, afirmou.

Para o ex-ministro Odacir Klein, é importante que as reuniões da Câmara Setorial aconteçam também fora de Brasília. “Isso a aproxima das realidades regionais”. Ele elogiou ainda a atuação da Aiba. “É uma instituição organizada, que reivindica politicamente com muito embasamento”, afirmou.

No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: