Pular para o conteúdo

Lição final do acidente da Air France é a mesma de outros

29/07/2011

A lição deixada pelo acidente do vôo 477 da Air France é a mesma de outras tragédias: um acidente não tem uma única causa, é apenas a soma de pequenos e decisivos incidentes. Neste caso, a falha das sondas pitot; a decisão de rota alternativa para não enfrentar uma tempestade de proporções; a relativa imperícia dos dois pilotos que não entenderam o que estava ocorrendo ou entenderam tardiamente; a ausência do comandante, mais qualificado para tomar uma decisão.

O mesmo aconteceu no último acidente da TAM em Congonhas: a pista curta e escorregadia; o reverso pinado ou isolado; atitudes díspares entre comandante e co-piloto e a indecisão final entre arremeter ou “quebrar” o avião, através de um cavalo-de-pau.

Há mais tempo, o acidente do Fokker-100, também em Congonhas, que matou 100 pessoas passou também por uma série de incidentes: o reverso que abriu já na decolagem; a insistência do co-piloto em levantar a rotação da turbina que entrou em reverso, ao ponto de quebrar os cabos de conexão da manete direita e, finalmente, a indecisão do comandante, que poderia ter decidido voar em mono e pedir prioridade para o retorno à pista ou alternar para Guarulhos.

Repetimos: uma tragédia é apenas o somatório de pequenas incapacidades, mecânicas ou humanas. Aviões não são construídos para cair. Ou melhor, não caem, são derrubados.

Veja os diálogos do piloto, co-piloto e comandante. Eles estão realmente perdidos e não sabem o que está acontecendo com a aeronave.

2h10min51: alarme estol dispara

“Temos os motores. O que está acontecendo?”, diz o segundo copiloto, às 2h11min3s.
“Não tenho mais o controle do avião agora. Não tenho mais nenhum controle do avião”, responde o primeiro copiloto, que comanda o avião no momento. “Tenho a impressão de que a gente conseguiu velocidade”.

Às 2h11min43s, há um barulho na porta da cabine. O comandante de bordo volta à cabine, depois de ter sido chamado pelo segundo copiloto enquanto descansava. Fazia nove minutos que ele estava ausente da pilotagem.

“Hey, o que vocês estão fazendo?”, diz o comandante.
“O que está acontecendo? Eu não sei”, afirma o primeiro copiloto. “Eu não sei o que está acontecendo.”

Às 2h11min45s, o alarme estol para de soar por sete segundos, e depois retorna de forma descontínua. Os diálogos prosseguem da seguinte maneira:

2h11min58s (primeiro piloto): “Tenho um problema, eu não tenho mais o variômetro. Não tenho mais nenhuma indicação (de velocidade).”
2h12min04s (primeiro copiloto): “Eu tenho a impressão que estamos a uma velocidade maluca, não? O que vocês acham?”
2h12min19s (primeiro copiloto): “Agora está bom, agora deveríamos ter voltado a estabilizar as asas, mas ele não quer.”
(comandante): “Asas estabilizadas. Horizonte seguro.”
2h12min13s (segundo copiloto): “O que você acha? O que você? O que é preciso fazer?”
2h12min15s (comandante): “Eu não sei. Está descendo.”
2h12min26s: (primeiro copiloto): “A velocidade?”

Às 2h12min27s, o alarme estol volta a soar. O segundo copiloto prossegue:

“Você está subindo… Você está descendo, descendo, descendo, descendo.”
(primeiro copiloto): “Eu estou descendo agora?”
(segundo copiloto): “Descendo.”
2h12min32s (comandante): “Não, você está subindo agora!”
2h12min33s (primeiro copiloto): “Eu estou subindo? Ok, então vou descer.”
2h12min42s: (primeiro copiloto): “Na altitude, estamos em quanto agora?”
2h12min44s (comandante): “Não é possível…”
(primeiro copiloto): “Qual é a altitude?”
(segundo copiloto): “Como assim em altitude?”
(primeiro copiloto): “Sim, sim. Estou descendo agora, não?”
(segundo copiloto): “Sim, você está descendo.”
(comandante): “É… Você… Você coloca as asas na horizontal.”
(segundo copiloto): “Coloque as asas na horizontal.”
(primeiro copiloto): “É o que eu estou tentando fazer.”
(comandante): “Coloque as asas na horizontal.”

2h12min46s: O alarme estol para de apitar por dois segundos, retorna e depois para novamente às 2h12min57s.

Primeiro copiloto: “Estou tentando virar ao máximo à esquerda.”
2h13min25s (primeiro copiloto): “O que está… Como pode que a gente continue descendo tanto?
2h13min28s (segundo copiloto): “Tenta ver o que você consegue fazer com os comandos do alto. Os básicos, etc.”
2h13min32s (segundo copiloto): “Ao nível 100.”
2h13min36s (segundo copiloto): “Nove mil pés.”
2h13min39s (segundo copiloto): “Sobe, sobe, sobe, sobe.”
2h13min40s (primeiro copiloto) “Mas eu estou empinando muito há algum tempo.”
(comandante): “Não, não, não, não sobe.”
(segundo copiloto): “Então desce.”
2h13min45s (segundo copiloto): “Então me passa os comandos, me passa os comandos.”

2h13min55s: Alarme estol é acionado pela última vez, durante oito segundos.

2h14min5s (comandante):”Atenção, você está empinando.”
Segundo copiloto assume o comando do avião: “Estou empinando?”
(primeiro copiloto): “Bom, é o que é preciso fazer, nós estamos a quatro mil pés.”
2h14min18s (comandante):”Vá, puxe!”
(primeiro copiloto): “Vá, puxe, puxe, puxe, puxe.”

2h14min28s: Fim das gravações

Como se pode ver, toda a crise a bordo durou pouco mais de 3 minutos. Na situação de stol, a única coisa a fazer é tomar uma atitude de vôo que favoreça o ganho de velocidade e aumente a sustentabilidade. Mesmo a baixa altitude, em torno de 1.300 metros, era necessário que se baixasse o bico do avião, que reduziu drasticamente sua velocidade após alguns minutos na posição “cabrada” ou com o nariz para cima, em que o arrasto aerodinâmico era grande.

 

No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: