Pular para o conteúdo

Uma despedida da filha de Santiago Andrade.

11/02/2014
O momento em que o câmera era envolvido no fogo da baderna e da anarquia.

O momento em que o câmera era envolvido no fogo da baderna e da anarquia.

A filha do cinegrafista (antigamente chamava-se assim) Santiago Andrade, Vanessa Andrade, tem 29 anos e também é jornalista. Ela escreve como foi a despedida do Pai, assassinado em praça pública por baderneiros a serviço de facções políticas. O texto é comovente:

Meu nome é Vanessa Andrade, tenho 29 anos e acabo de perder meu pai.
Quando decidi ser jornalista, aos 16, ele quase caiu duro. Disse que era profissão ingrata, salário baixo e muita ralação. Mas eu expliquei: vou usar seu sobrenome. Ele riu e disse: então pode!
Quando fiz minha primeira tatuagem, aos 15, achei que ele ia surtar. Mas ele olhou e disse: caramba, filha. Quero fazer também. E me deu de presente meu nome no antebraço.
Quando casei, ele ficou tão bêbado, que na hora de eu me despedir pra seguir em lua de mel, ele vomitava e me abraçava ao mesmo tempo.
Me ensinou muitos valores. A gente que vem de família humilde precisa provar duas vezes a que veio. Me deixou a vida toda em escola pública porque preferiu trabalhar mais para me pagar a faculdade. Ali o sonho dele se realizava. E o meu começava.
Esta noite eu passei no hospital me despedindo. Só eu e ele. Deitada em seu ombro, tivemos tempo de conversar sobre muitos assuntos, pedi perdão pelas minhas falhas e prometi seguir de cabeça erguida e cuidar da minha mãe e meus avós. Ele estava quentinho e sereno. Éramos só nós dois, pai e filha, na despedida mais linda que eu poderia ter. E ele também se despediu.
Sei que ele está bem. Claro que está. E eu sou a continuação da vida dele. Um dia meus futuros filhos saberão quem foi Santiago Andrade, o avô deles. Mas eu, somente eu, saberei o orgulho de ter o nome dele na minha identidade.
Obrigada, meu Deus. Porque tive a chance de amar e ser amada. Tive todas as alegrias e tristezas de pai e filha. Eu tive um pai. E ele teve uma filha.
Obrigada a todos. Ele também agradece.

Colegas depositam suas câmeras no local da morte de Santiago, como última homenagem

Colegas depositam suas câmeras no local da morte de Santiago, como última homenagem

About these ads
Um Comentário leave one →
  1. Mario Machado Link Permanente
    11/02/2014 15:16

    Nenhuma morte e justificavel, menos ainda a de Santiago, muito menos ainda da forma que foi. Vai um pai, fica uma filha, muito bem criada e amada. A todos os jornalistas meu respeito. Aos familiares minhas oracoes. Que a morte de Santiago nao seja em vao. Protestar sim. Matar JAMAIS!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 119 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: