Skip to content

As imagens impressionantes do tsunami no Japão.

11/03/2011

Agora, às 15 horas de Brasília ( madrugada de sábado no Japão), já se contavam mais de 300 vítimas fatais, a maioria na província de Myagi. Incêndios, rompimentos de barragens, casas arrastadas pelo mar e um número ainda não revelado de desaparecidos. As autoridades esperam que o terremoto se reproduza por mais 3 dias, com consequentes formações de novas tsunamis.

Segundo a agência noticiosa Reuters, com informações da agência de notícias Kyodo, o violento terremoto seguido de tsunami nesta sexta-feira, no nordeste do Japão, deve ter deixado mais de mil mortes. O número de vítimas aumenta de minuto em minuto. Segundo cifras anteriores da polícia, haveria pelo menos 337 mortos, 531 desaparecidos e 627 feridos, dez horas após o abalo violento, de magnitude 8,9.

O tremor, que abalou o nordeste do país, foi o mais forte já registrado em 140 anos no Japão. O incidente foi seguido de um tsunami de vários metros de altura no litoral do Pacífico.

O abalo aconteceu às 14h46 (2h46 de Brasília) a 24,4 km de profundidade e a 100 km ao longo da prefeitura de Miyagi. Ondas de 10 m de altura quebraram no litoral da prefeitura (Estado) de Sendai enquanto vagas de sete metros atingiram a vizinha Fukushima, segundo a imprensa local.

O número de mortos está em 288, além de 349 desaparecidos. No entanto, não estão incluídos na conta os corpos encontrados na praia de Sendai, na prefeitura de Miyagi, no nordeste do país, que são entre 200 e 300, segundo a agência de notícias Jiji. Na mesma ilha, um navio com cerca de 100 pessoas a bordo foi levado pelas águas, ignorando-se o destino dos seus ocupantes.

Tremores secundários de forte potência, com magnitude superior a 6, e até 7, foram registrados em seguida e sentidos até na capital. O Japão, situado na confluência de quatro placas tectônicas, sofre anualmente cerca de 20% dos tremores mais fortes recenseados na Terra. Em 1923, a cidade de Tóquio havia sido devastada por um sismo maior, que fez 140.000 mortes. Mais recentemente, em 1995, o sismo de Kobe (oeste) fez mais de 6.400 mortos.

Após o terremoto de hoje, a maior parte dos Estados do Pacífico, da Oceania e da América Latina, emitiram alertas de tsunami, mas nenhum dano significativo foi observado até o momento fora do arquipélago nipônico. As zonas litorâneas foram evacuadas nas ilhas Marianas, assim como nas de Guam e no Havaí. A Colômbia constatou um aumento de 50 centímetros no nível do mar. No Equador, onde foi decretado estado de exceção, foi ordenada a evacuação das regiões ameaçadas.

Em Tóquio, a cerca de 380 km do epicentro, os arranha-céus, construídos sobre estruturas parassísmicas especiais, balançaram durante longos minutos. As autoridades também indicaram que também há centenas de feridos.

Um trem de passageiros, com um número desconhecido de pessoas a bordo, também desapareceu na prefeitura de Miyagi após ter sido engolido por uma onda de 10 m, segundo a agência de notícias Kyodo.

O ministério da Indústria informou que os 11 reatores nucleares da região pararam automaticamente. Um princípio de incêndio foi observado no prédio onde fica a turbina da central nuclear de Onagawa situada em Miyagi. No entanto, não foi registrado nenhum vazamento radiativo nesta instalação nem nos outros sítios nucleares atingidos, segundo as autoridades. Na região de Tóquio, uma refinaria de petróleo estava em chamas em Iichihara.

As televisões nipônicas divulgavam ao vivo imagens de casas inundadas, de navios emborcados, de viaturas submersas pelas águas. Uma onda de lama e de destroços seguiu em grande velocidade através de campos e estradas, devastando tudo a sua passagem. Em alguns lugares, a água penetrou até 5 km pelo interior.

Um teto desabou num prédio do centro de Tóquio, onde 600 estudantes participavam de uma cerimônia de diplomação, fazendo numerosos feridos, segundo os bombeiros e a mídia local. Nos edifícios, os ascensores pararam automaticamente, enquanto milhões de pessoas corriam nas ruas. Dezenas de incêndios foram observados na capital, onde há muitos feridos.

O aeroporto internacional de Narita, a cerca de 50 km a leste de Tóquio, suspendeu o tráfego por várias horas, anunciando, à noite, que as operações recomeçavam progressivamente. Os transportes ferroviários e rodoviários também foram interrompidos em grande parte do arquipélago, em particular em Tóquio e sua região, bloqueando milhões de pessoas que tomaram de assalto os hotéis da cidade, ou tentavam chegar as suas casas a pé.

Os trens expressos Shinkansen pararam em todo o nordeste e as estradas da região de Tóquio foram fechadas alguns minutos após o terremoto. Também na capital nipônica, quatro milhões de lares estavam sem eletricidade.

DESASTRE NUCLEAR

Uma pequena quantidade vapor radioativo da usina nuclear de Fukushima deve ser liberada no ambiente para aliviar a pressão no reator, informou um porta-voz do ministério da Indústria do Japão nesta sexta-feira, 11. O sistema de refrigeração parou de funcionar após o terremoto de magnitude 8,9 que atingiu o país provocar uma falta de energia na usina.

De acordo com a Agência de Segurança Nuclear do Japão, a pressão no reator é 1,5 vez superior ao nível considerado normal. Ainda segundo o órgão, a quantidade de vapor radioativo que será liberada não é prejudicial ao ambiente ou à saúde da população.

About these ads
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 126 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: